Caixa com máscaras descartáveis chega a R$ 125

Proprietários de lojas de itens hospitalares se dizem reféns das distribuidoras, que chegaram a cobrar R$ 200 pelas 50 unidades do produto


O surto do novo coronavírus tirou das prateleiras das farmácias as máscaras descartáveis e criou no mercado uma caça pelo produto. Uma caixa com 50 máscaras triplas, que antes custava R$ 4,50, agora é vendida a R$ 125 pelo comércio atacadista.

Os proprietários de lojas de itens hospitalares de Americana reclamaram da situação ao LIBERAL. Eles se dizem reféns das distribuidoras, que chegaram a cobrar R$ 200 pelas 50 unidades do produto. Com isso, para ter uma margem de lucro, acabam tendo que repassar ao consumidor final.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

Foto: Imagem de panos13121 por Pixabay
Quem faz a distribuição acresce outra porcentagem no valor e as máscaras ficam mais caras para os estabelecimentos

A maior parte das máscaras do mundo é feita na China. É da província de Hubei que a Descarpack, uma das maiores varejistas do ramo no Brasil, importa o produto. Como lá ocorreu o epicentro da doença, o estoque das fábricas foi dedicado à demanda nacional, dificultando o acesso dos demais países, segundo o diretor de negócios da Descarpack, Renato Joiozo.

“A gente está trazendo máscara via aérea para atender ao mercado do Brasil, pagando um frete internacional caro, locando avião para conseguir abastecer. A demanda explodiu, mas a gente está fazendo o máximo que der pra reduzir esse preço”, disse o diretor em entrevista ao LIBERAL.

Saiba tudo sobre o coronavírus, o que ele provoca e como se prevenir

Joiozo nega que tenha chegado a cobrar R$ 200 pelo pacote de máscaras. O que acontece é que a Descarpack não vende diretamente para os comerciantes. O produto é comprado pelas distribuidoras em grandes quantidades e depois repassado para farmácias.

Quem faz a distribuição acresce outra porcentagem no valor e as máscaras ficam mais caras para os estabelecimentos. “Estão fazendo um pedágio exorbitante. Os fabricantes estão vendendo para o distribuidor, que cobram o quanto quer”, disse o proprietário da Ahospimed, Eduardo Picconi – a loja de Americana vende produtos cirúrgicos e hospitalares.

O diretor da Descarpack disse que a caixa com 50 máscaras, antes da pandemia, era vendida a R$ 4,50. O valor foi subindo até a empresa decidir suspender as vendas. Somente nesta quarta-feira a Descarpack voltou a disponibilizar o produto depois que o governo zerou o imposto sobre a importação de itens médicos e hospitalares. Agora, o valor cobrado é de R$ 125.

Na rede pública, a diferença também é sentida. Superintendente da Fusame, José Carlos Marzochi afirmou que o valor da máscara saltou de R$ 0,06 para R$ 2,90.

Além da Capa, o podcast do LIBERAL

A edição desta semana do podcast “Além da Capa” fala sobre a pandemia do Covid-19, o novo coronavírus, e seus impactos nas cidades que fazem parte da RPT (Região do Polo Têxtil). Ouça:

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora