18 de setembro de 2020 Atualizado 21:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Sem solução

Buraco em muro ameaça a segurança em escola no Zanaga

Parte de um dos muros da Escola Estadual Clarisse Costa Conti caiu com as chuvas em janeiro de 2019, facilitando a entrada e saída de pessoas no local

Por Isabella Holouka

10 jan 2020 às 17:56 • Última atualização 10 jan 2020 às 17:57

A comunidade escolar e os vizinhos da Escola Estadual Clarisse Costa Conti, no bairro Antônio Zanaga, em Americana, estão incomodados com a segurança no local. Parte de um dos muros da escola cedeu em janeiro de 2019 e, apesar de já fazer um ano, o problema estrutural permanece sem solução.

Foto: Divulgação / Daniela Furlan
Buraco no muro causa preocupação de moradores das imediações da escola

É o que relata a instrumentadora cirúrgica Daniela Furlan, de 40 anos, que reside em frente à unidade escolar. Ela conta que uma parte do muro caiu com a força das chuvas, formando um buraco que serve de passagem para quem queira entrar ou sair da quadra da escola.

“Caiu uma parte do muro, encheu de barro as casas aqui da frente da escola e a escola colocou um tapume. Só que durante o ano todo (de 2019) ele (buraco do muro) ficou aberto”, explica ela.

Pouco resistente, o tapume não impediu a entrada e saída de pessoas não autorizadas na quadra da escola. De acordo com Daniela, existe ainda a preocupação sobre o uso de drogas no local

“Ontem (quinta-feira, dia 9) mesmo eu vi 15 adolescentes saindo de dentro da escola. A gente não vê, não pode confirmar nada, mas sente cheiros. Isso acontece com frequência”, relata.

“Também vemos garrafas de vidro vazias jogadas pela calçada. Eu já mandei mensagem para os vereadores do bairro, para o prefeito, e nada é feito. Entra ano e sai ano e nada é feito. Até acontecer o pior, né?”, desabafa.

A Diretoria Regional de Ensino de Americana foi questionada sobre o assunto e respondeu em nota que a reconstrução do muro e outros serviços de manutenção serão iniciados na próxima semana.

“O valor do serviço é de R$ 106,7 mil com prazo de execução de 120 dias. Além dessa verba, a unidade de ensino também será contemplada com R$ 73,9 mil do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE Paulista), para realização de outras intervenções que serão definidas pela comunidade escolar ao longo de 2020”, informou ainda.

Publicidade