Botão do Pânico amplia ação de segurança para mulheres

Aplicativo atenderá 24 mulheres que já fazem parte de programa mantido pela Gama; corporação contabilizou 69 chamados do segmento neste ano


As mulheres vítimas de violência doméstica ganharam, nesta quinta-feira, mais uma ferramenta para se protegerem dos agressores. A Gama (Guarda Municipal de Americana) e a Prefeitura de Americana lançaram o aplicativo Botão do Pânico, que será disponibilizado para 24 mulheres que fazem parte do programa de proteção da corporação. Por meio dele, será possível acionar a Guarda em casos de descumprimento de medidas protetivas e aproximação de agressores.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Comandante Marcos Guilherme fala durante evento na prefeitura

Apenas neste ano, a corporação foi acionada 69 vezes para atender chamados de violência doméstica, segundo o comandante Marcos Guilherme. Do total, 50 foram convertidos, de fato, em registro de ocorrências, seja por ameaça ou agressão, e houve nove casos de prisão em flagrante do infrator. Desde o início do ano, a Justiça de Americana já concedeu 166 medidas protetivas para mulheres.

A partir desta quinta, o aplicativo começou a ser instalado nos celulares das mulheres, que em três toques na tela poderão chamar a Gama. Um alerta visual e sonoro será acionado no sistema da corporação, sendo repetido a cada dez segundos durante oito minutos.

Marcos Guilherme disse que o alerta será dado imediatamente às viaturas que estiverem na rua. Ele estima que será possível atender ao chamado de dois a três minutos – o tempo para as viaturas chegarem aos extremos da cidade é de no máximo oito minutos. Mesmo que a mulher esteja em deslocamento, por meio do GPS do celular é possível localizá-la.

“Em alguns municípios o botão do pânico não é viável pela dificuldade do poder público em chegar até a vítima. Americana tem uma geografia que favorece, um bom efetivo na Guarda e conseguimos chegar de um extremo a outro da cidade em tempo suficiente para socorrer”, pontuou.

A adesão ao aplicativo se dará por meio de um cadastro, no qual vão constar a medida protetiva, boletins de ocorrência e o histórico do caso, e ainda foto do possível agressor e da vítima.

Além da Gama, outros dois contatos pessoais podem ser cadastrados para receber o alerta – nesse caso, será enviada uma mensagem por SMS e por e-mail.

APLICATIVO. Disponível nesse primeiro momento apenas para as mulheres que fazem parte do programa, o aplicativo foi desenvolvido pelo patrulheiro Franchi Ricardo Rocha sem nenhum custo para a corporação. Ele contou que a elaboração durou entre cinco e seis meses.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!