13 de junho de 2021 Atualizado 13:47

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Correspondências

Atrasos em entregas dos Correios voltam a gerar reclamações na região

Empresa alega que pandemia atrapalhou serviços, enquanto o sindicato aponta sucateamento da estatal

Por Heitor Carvalho

05 jun 2021 às 08:56

Moradores de Americana e região têm reclamado de atrasos na entrega de encomendas e correspondências por parte dos Correios nos últimos meses. Em alguns casos, cidadãos têm recebido correspondências um mês após a postagem.

Entre as causas do problema, estão versões distintas. Enquanto a estatal alega que a pandemia do novo coronavírus atrapalhou os serviços de entrega, para o Sintect-Cas (Sindicato dos Trabalhadores em Correios de Campinas e Região) o problema é o sucateamento da empresa.

“O governo está diminuindo as vagas, demitindo os trabalhadores aposentados. Entre os meses de fevereiro e abril, só aqui na nossa região, foram demitidos cerca de 270 trabalhadores”, afirmou Mauro Aparecido Ramos, diretor de imprensa do Sintect-Cas.

“Desde 2011 não há novos concursos e os Correios não têm mais interesse em prestar um serviço de qualidade. A empresa não dá as condições necessárias para os carteiros entregarem as correspondências em dia. Eles estão sucateando com o propósito de privatizar”, disse.

O LIBERAL entrou em contato com a empresa para questionar sobre o assunto. Em nota, a assessoria dos Correios disse que as informações fornecidas pelo sindicato “não procedem”.

“A rotina de entregas permanece sendo executada. Entretanto, em virtude dos protocolos preventivos adotados pela empresa para segurança de todos – como sanitização de ambientes e afastamento de empregados em grupo de risco –, podem ocorrer algumas alterações pontuais no serviço”, afirmou a estatal.

“Para minimizar os impactos aos clientes, os Correios estão adotando medidas como contratação de mão de obra temporária, apoio de empregados de outras unidades, execução de horas extras e trabalhos aos sábados”, concluiu o comunicado.

Publicidade