26 de julho de 2021 Atualizado 16:49

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Sobrevivente

Após ser intubada três vezes por Covid-19, dona de casa tem alta em Americana

Denise Cristina Rosolen Brigatti, ce 53 anos, ficou 43 dias internada lutando contra o coronavírus

Por Marina Zanaki

22 jul 2021 às 07:28 • Última atualização 23 jul 2021 às 09:45

A dona de casa Denise Cristina Rosolen Brigatti, 53 anos, teve alta nesta quarta-feira do Hospital São Lucas, em Americana, após ficar 43 dias internada com Covid-19. A luta da moradora da Cidade Jardim contra o vírus incluiu três intubações, uma parada cardíaca e infecção pela superbactéria KPC.

Denise e a família: recuperação é tratada como renascimento – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

A própria Denise não lembra de nada do que aconteceu, já que passou a maior parte do tempo sedada. “Estão me contando agora, estou de boca aberta de saber da minha história. Eu nasci de novo”, disse a dona de casa ao LIBERAL.

Se ela ainda tem dificuldade de falar por conta da forte sedação e do período internada, o que segura as palavras de seu esposo, o aposentado Jaime Brigatti, 55 anos, é a emoção. Ao conversar com a reportagem, ele não conteve as lágrimas e pouco conseguiu dizer sobre a recuperação da esposa.

“Vai ser difícil falar porque eu choro. Mas tenho muita fé, sou muito devoto de Nossa Senhora. Vi minha esposa intubada, aquela cena toda, mas eu falava: ela vai sair dessa, e saiu, graças a Deus. Foi uma obra de Deus o que aconteceu com ela”, disse Jaime.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Denise começou a sentir os primeiros sintomas no início de junho, poucos dias após receber a primeira dose da vacina Oxford/Astrazeneca. A família acreditou que se tratavam de reações à vacina. Contudo, com a piora de seu quadro, interromperam uma viagem ao litoral e retornaram para Americana em busca de atendimento médico. Inicialmente, Denise pelo no Hospital São Francisco.

“Ela não estava tão ruim ainda, e na época os hospitais estavam lotados, não estavam internando qualquer um, tinha que estar muito mal. Ela estava estável ainda, então mandaram para casa e deram medicação”, contou o programador Gustavo Rosolen Brigatti, 21 anos, filho de Denise.

Porém, sua saúde foi se deteriorando. No dia 7 de junho, ela deu entrada no Hospital São Lucas, e foi intubada no dia seguinte. Denise ficou na terapia intensiva por 11 dias e depois foi para a enfermaria. Quatro dias depois, teve falta de ar e precisou voltar para a intubação.

Seu quadro melhorou, e foi possível extubá-la. A paciente ficou apenas duas horas na enfermaria e precisou novamente ser intubada. No dia seguinte, sofreu uma parada cardíaca. “Ela ficou dois minutos e 36 segundos morta, e aí conseguiram reanimar. Mas estava num estado bem grave”, disse Gustavo.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

A paciente teve uma embolia pulmonar, que provocou as complicações. Denise ainda desenvolveu pneumonia por conta da superbactéria KPC.

Ela teve alta da UTI na sexta-feira, e saiu do hospital na manhã de ontem. Agora, o caminho da recuperação plena vai demandar fisioterapia e cuidados. “É um testemunho muito grande. A gente continua rezando para quem está lá agora”, finalizou Jaime.

Publicidade