ANP interdita bico irregular em posto de combustível de Americana

Anormalidade foi constatada em estabelecimento na Avenida da Saudade; agência também abriu um procedimento administrativo


Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG
Dispositivo depositava 80 ml a menos a cada 20 litros de gasolina

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) interditou na quinta-feira um dos bicos de uma bomba do posto de combustíveis da Avenida da Saudade, 677. O fiscal detectou que o dispositivo estava depositando 80 ml a menos a cada 20 litros de gasolina comum exibidos no visor. Se alguém abastecesse 20 litros, entravam no tanque 19,920 litros, de acordo com a agência. A irregularidade é conhecida como bomba baixa. A ANP informou que, além da interdição, abriu um procedimento administrativo. O resultado pode ser uma multa ao posto.

Os outros bicos não tinham irregularidades e podem ser usados normalmente, de acordo com a ANP. Na noite de ontem, o posto cobrava R$ 3,57 pelo litro da gasolina. É quase R$ 0,30 a menos que o preço médio praticado em Americana, segundo o último relatório semanal da pesquisa de preços da agência federal.

Em levantamento realizado na quarta-feira em 14 estabelecimentos da cidade, a ANP encontrou preço médio de R$ 3,86. Nesses 14 postos, o litro mais barato custava R$ 3,69, e o mais caro, R$ 4,09. Americana tem 61 postos cadastrados na prefeitura. A pesquisa semanal da ANP abrange só 14 – não inclui o da Saudade, por exemplo.

De acordo com a ANP, a vistoria no posto foi resultado de fiscalização de rotina, para verificar qualidade, aferição dos equipamentos medidores e coletar amostras. A fiscalização também foi feita nas regiões de Limeira e Piracicaba.

Apesar de ter interditado o bico por uma diferença de 80 ml, em uma cartilha da própria ANP em seu site, a agência esclarece que a discrepância máxima permitida entre o visor e o que de fato sai do bico é de 100 ml. Mais que isso pode ser indício de fraude, afirma a agência. Ao constatar essa informação, às 21h, a reportagem não conseguiu mais contato com a ANP.

A pessoa que se apresenta como dono do posto é Alexandre Motta de Souza (na ficha cadastral na Jucesp, constam como donas duas mulheres com seu sobrenome). Foi Alexandre quem denunciou, em um vídeo publicado no Facebook em agosto do ano passado, a existência de um cartel de postos de combustíveis em Americana. O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) chegou a investigar a existência na cidade, mas arquivou o caso.

Ontem, a reportagem não conseguiu contato com Alexandre por meio de seu telefone celular. No posto, uma funcionária confirmou que ele é o dono, mas informou que não estava no local.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora