20 de janeiro de 2021 Atualizado 16:44

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Tragédia

Causa da morte de menino de oito anos é incerta

Miguel Montezano de Oliveira estava em um sítio de parentes quando houve a tragédia; família e polícia divergem sobre afogamento como causa

Por Leonardo Oliveira

04 jan 2021 às 10:47 • Última atualização 04 jan 2021 às 15:16

Um menino de oito anos, de Americana, morreu em uma lagoa da cidade de Colômbia, na região de Barretos, no último sábado (2).

Miguel Montezano de Oliveira estava em viagem a um sítio de parentes quando a tragédia aconteceu. A causa da morte, porém, é incerta e deve ser esclarecida pelo IML (Instituto Médico Legal).

Um dos parentes do menino contou, num boletim de ocorrência registrado em Barretos, que a família estava em um momento de lazer na lagoa quando, por volta das 17 horas, o menino começou a gesticular com as mãos, indicando estar com falta de ar. Ele estava próximo à margem e com água até a cintura, segundo esse parente.

Miguel tinha oito anos e morava no São Vito – Foto: Facebook / Reprodução

Miguel foi retirado da água e levado de carro até uma unidade médica da cidade, mas chegou sem vida ao local, segundo o documento policial. O sepultamento do corpo do menino foi realizado na manhã desta segunda-feira, no Cemitério Parque Gramado, em Americana.

Divergências

Na manhã desta segunda-feira (4), o LIBERAL havia publicado, com base em informações do boletim de ocorrência do caso, que a morte do menino teria sido por afogamento.

A causa da morte por afogamento, entretanto, não está descrita no documento policial. O boletim de ocorrência trata o caso como morte suspeita.

Procurada pelo LIBERAL, a SSP (Secretaria Estadual da Segurança Pública) trata o episódio como morte após afogamento. O LIBERAL apurou também, junto à funerária responsável pelo caso, que o atestado de óbito também traz como causa afogamento.

A família de Miguel, entretanto, contesta a versão. Ao LIBERAL, a tia do menino, Thais Salles, informou que a criança sabia nadar e não estava em um ponto profundo da lagoa.

“Estávamos indo embora, só faltava eu e ele sairmos da água. Quando eu olhei pra ele, ele estava em pé pedindo ajuda, não estava se afogando”, contou ao LIBERAL.

“Eu tentei salvar e mais quatro adultos que estavam com a gente também tentaram. O motivo da morte não sabemos. Se foi infarto, convulsão, se a língua enrolou, não sabemos. Mas ele não morreu afogado”, disse.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O caso deve ser esclarecido pela Polícia Civil. Segundo a SSP, foi pedido exame pericial ao IML. O caso, registrado, como morte suspeita no plantão da Delegacia Seccional de Barretos, será encaminhado à Delegacia de Colômbia, onde será investigado.

Publicidade