Americana remaneja prontuários para agilizar atendimento

Medida foi adotada com objetivo de evitar que pacientes fiquem sem medicamentos de uso contínuo em Americana


A Secretaria de Saúde de Americana começou a remanejar prontuários de pacientes entre médicos de diferentes unidades básicas para evitar que pessoas que precisam de medicamentos de uso contínuo fiquem sem os remédios.

A medida foi adotada porque em alguns postos de saúde da cidade a fila por consulta com um clínico geral é grande e, em outras, bem menor. Em novembro, o LIBERAL noticiou que a espera chegava a sete meses e que, para tentar um encaixe sem consulta marcada, algumas pessoas estavam madrugando na fila. Ontem, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde disse que as agendas estão sendo reorganizadas.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
 De acordo com o secretário de Saúde, Gleberson Miano, as maiores filas são as das unidades do Jd. São Paulo (foto) e do Mathiensen

Com a novidade, que segundo o secretário Gleberson Miano foi implantada no fim do ano passado, os prontuários de pacientes que estão na fila de postinhos onde a demora é maior são enviados para outros médicos, que podem assinar a receita que libera os medicamentos. “O remanejamento, por enquanto, está sendo feito para pacientes que possuem agendamento muito distante e que não podem ficar sem medicamentos de uso contínuo.”

De acordo com o secretário de Saúde, as maiores filas são as das unidades de saúde do Jardim São Paulo e do Mathiensen. “Nos outros postos a gente tem lugar que tem consulta para dois meses.”

De acordo com Gleberson, são os próprios funcionários que, ao verem a situação do paciente, entram em contato com a coordenadora de Atenção Básica da Saúde. “E ela faz todo esse trâmite de pegar o prontuário, remanejar para outro lugar.”

A fila de espera muito grande em alguns postos causou problemas como filas formadas desde o meio da madrugada no posto do Jardim São Paulo, como mostrou o LIBERAL em novembro. É que, com consultas muito distantes, alguns pacientes tentavam um encaixe (iam sem consulta marcada na expectativa de que alguém faltasse e eles pudessem ser atendidos). Para tentar ter sucesso, alguns chegavam às 3 horas ao postinho, que abre às 7h30, e iam embora sem passar pelo médico. Alguns dos que tentavam o encaixe eram justamente idosos que precisavam de novas receitas para continuar a tomar medicamentos de uso contínuo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!