06 de julho de 2020 Atualizado 20:11

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Violência

Americana tem 5,3 mil pedidos de medidas protetivas

Números foram divulgados pela Secretaria de Ação Social durante lançamento da campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”

Por Marina Zanaki

21 nov 2019 às 09:53 • Última atualização 21 nov 2019 às 10:00

Entre 2013 e 2019, o TJ (Tribunal de Justiça) recebeu 5.321 pedidos de medidas protetivas para mulheres vítimas de violência em Americana. Para efeito de comparação, a cidade de Campinas teve 6.953 solicitações nesse mesmo período. O município campineiro tem 1,1 milhão de habitantes, cinco vezes mais que Americana.

Os números foram divulgados nesta quarta-feira pela Secretaria de Ação Social e Desenvolvimento Humano durante o lançamento da campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”.

Foto: Marilia Pierre / Prefeitura de Americana
 Mulheres participam do lançamento de campanha sobre o tema nesta quarta-feira

“Se as mulheres de Americana estão buscando medidas protetivas, é porque temos equipamentos e profissionais que podem acolhê-las. Temos um conselho da mulher ativo e vamos continuar divulgando e fortalecendo os projetos para diminuir os índices”, disse a vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Léa de Fátima Amabile de Queiroz Telles.

Até outubro deste ano, 368 mulheres deram entrada em hospitais da rede pública e privada de Americana após terem sofrido algum tipo de violência.

Coordenadora da Unidade de Direitos Humanos da Secretaria de Ação Social e Desenvolvimento Humano, Alcimara Silva Batalhão disse que apesar das leis contra a violência de gênero, ainda faltam discussões.
“Devemos fazer a campanha porque na realidade a mulher ainda sofre discriminação na política, em casa, nas rodas de conversas e piadas machistas. É possível ser macho e não machucar as mulheres”, disse a coordenadora.

A campanha será realizada até 10 de dezembro. O evento de lançamento contou com a palestra “Identidade da mulher negra – discutindo gênero, etnia e raça”, apresentada por Cláudia Monteiro, representante da Unegro de Americana e do Coletivo Batakotô.

Estão previstas ainda rodas de conversa, entrega de material informativo e palestras ministradas pela Guarda Municipal de Americana sobre a Patrulha Maria da Penha. A programação completa está no site da prefeitura.