Americana registra 200 denúncias de potenciais criadouros de larvas

Município vive atualmente uma epidemia de dengue; número de casos confirmados da doença chegou a 906 nesta terça, segundo o boletim da prefeitura


Foto: Arquivo / O Liberal
De acordo com a prefeitura, os potenciais criadouros são, em sua maioria, as piscinas, caixas d’água, calhas, ralos e galerias pluviais

O Serviço de Atendimento ao Cidadão de Americana recebe quase duas denúncias por dia envolvendo potenciais criadouros de larvas do mosquito Aedes aegypti. Segundo levantamento feito pela prefeitura, foram 200 denúncias desde o início do ano.

De acordo com o coordenador da Vigilância Ambiental, Antônio Jorge da Silva Gomes, o tempo de atendimento dessas denúncias está em média de 10 a 15 dias, a depender da situação. O motivo é que em diversos casos é necessário realizar uma busca para encontrar o responsável pelo imóvel. Isso acontece quando a notificação se refere a um prédio fechado ou terreno baldio.

O município vive atualmente uma epidemia de dengue. O número de casos confirmados da doença chegou a 906 nesta terça-feira, segundo o boletim da Vigilância Epidemiológica. Há outros 445 casos aguardando resultado, além de duas suspeitas de febre chikungunya e duas mortes provocadas por febre hemorrágica.

O município colheu material desses pacientes e enviou para exame no Instituto Adolfo Lutz. Os casos são tratados como morte suspeita por dengue, febre amarela, febre maculosa e leptospirose.

De acordo com a prefeitura, os potenciais criadouros são, em sua maioria, as piscinas, caixas d’água, calhas, ralos e galerias pluviais. Também há grande quantidade de criadouros em materiais inservíveis descartáveis que são destinados de maneira incorreta. O município destacou que boa parte deles poderia ser reciclada. O canal para denúncias de possíveis criadouros é o telefone 3475-9024.

COMO PREVENIR

CICLO. O mosquito Aedes aegypti precisa de água limpa e parada para reprodução. A cada três dias, as fêmeas colocam 40 ovos, segundo informações do Ministério da Saúde. Após sete dias como larva, o mosquito está maduro.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora