02 de julho de 2022 Atualizado 18:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ASSISTÊNCIA

Americana quer ampliar políticas de combate a violência contra idosos

Ideia é fixar um fluxo de atendimento para as vítimas e buscar dados reais sobre os casos

Por Rodrigo Alonso

24 de junho de 2022, às 07h38 • Última atualização em 24 de junho de 2022, às 07h39

Decreto foi assinado pelo prefeito Chico Sardelli - Foto: Susy Coutinho / Prefeitura de Americana

Um programa lançado pela Prefeitura de Americana nesta quinta-feira (23) visa ampliar as políticas públicas municipais de combate à violência contra idosos.

Segundo a secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Juliani Hellen Munhoz Fernandes, a ideia é fixar um fluxo de atendimento para os idosos violentados e buscar dados reais sobre os casos, pois há vítimas que optam por não denunciar seus agressores.

“Existem muitos casos ainda que são subnotificados, que a gente não sabe, mas a gente vai trabalhar para que isso seja possível, de maneira que a gente possa garantir o direito à qualidade de vida deles, ao bem-estar”, disse.

Denominado “Americana Pró 60+”, o programa foi instituído por meio de um decreto assinado pelo prefeito Chico Sardelli (PV) durante o 3º Encontro Municipal sobre Cuidado e Proteção da Pessoa Idosa.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Haverá, inclusive, a criação de um comitê com integrantes de diferentes secretarias e órgãos públicos para que cada um desenvolva ações em prol dos idosos.

O grupo será formado por representantes das secretarias de Assistência Social e Direitos Humanos, de Saúde, de Habitação e Desenvolvimento Urbano, de Cultura e Turismo, de Esportes, de Obras e Serviços Urbanos e de Educação, além da Fusame (Fundação de Saúde de Americana), do Procon, da Gama (Guarda Municipal de Americana) e do Comid (Conselho Municipal do Idoso).

“Americana é uma das cidades onde mais vivem os idosos. Tem uma longevidade bem grande, e está aumentando. Então, a gente viu que precisava oferecer mais dignidade a essa população”, afirmou Juliani.

Publicidade