21 de outubro de 2021 Atualizado 23:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Casa da Mulher

Americana pleiteia programa estadual para acolhimento às mulheres vítimas de violência

Projeto foi lançado nesta segunda-feira pelo Governo de São Paulo; ao todo, estão previstas 40 unidades

Por Ana Carolina Leal

23 ago 2021 às 16:45 • Última atualização 23 ago 2021 às 16:50

A Prefeitura de Americana pleiteou a implantação na cidade do programa Casa da Mulher, lançado nesta segunda-feira (23) pelo Governo de São Paulo para dar apoio às políticas públicas de acolhimento e proteção, bem como suporte jurídico e psicológico às mulheres vítimas de discriminação e violência.

Secretária de Assistência Social de Americana, Juliani Fernandes, participa d e lançamento – Foto: Divulgação

Ao todo, estão previstas 40 unidades em todo o Estado, sendo 20 delas nesta primeira fase. O investimento é na ordem de R$ 14,5 milhões para a construção dos espaços e infraestrutura dos locais. As instalações serão possíveis por meio de convênios entre a SDR (Secretaria de Desenvolvimento Regional) e os municípios contemplados.

Secretária de Assistência Social e Direitos Humanos do município, Juliani Hellen Munhoz Fernandes acredita que Americana tem todas as condições de receber o programa, uma vez que tem instituído o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher com o desenvolvimento de diversas ações e políticas de atendimento na rede de proteção envolvendo diversas pastas.

Cada unidade receberá R$ 725 mil e os projetos, desenvolvidos pela CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), contarão com salão principal e palco destinados a conferências e cursos em geral, salas de atendimento psicológico e jurídico, brinquedoteca, área de gastronomia, sanitários e depósito para manutenção e limpeza.

A Casa da Mulher atende recomendações da Lei Maria da Penha, do pacto nacional pelo enfrentamento a violência contra as mulheres, da convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher  e considera o capítulo cinco, de Equidade de Gênero, dos objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas).

Publicidade