29 de setembro de 2020 Atualizado 07:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Americana confirma mortes de mulheres de 60 e 90 anos pelo novo coronavírus

Vítimas residiam nos bairros Machadinho e Santa Cruz; cidade tem 2.871 casos

Por Leonardo Oliveira

11 ago 2020 às 17:22 • Última atualização 11 ago 2020 às 18:13

O novo coronavírus (Covid-19) fez mais duas vítimas em Americana. A prefeitura confirmou nesta terça-feira (11) que duas mulheres, de 60 e 90 anos, que faleceram no dia 6 de agosto, tiveram a doença como a causa. O boletim epidemiológico mais recente ainda trouxe mais 90 novos casos positivos.

A mulher de 60 anos morava no bairro Machadinho e estava internada no Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi – ela era hipertensa e diabética. Já a de 90, que morava no bairro Santa Cruz, morreu em um hospital particular da cidade – ela era cardíaca.

Uma das vítimas estava internada no HM de Americana – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Americana contabiliza agora 2.871 pacientes infectados pela Covid-19. Além dos 94 óbitos, há 30 internados, 304 em isolamento domiciliar, além dos 2.443 recuperados. Há ainda 591 casos suspeitos aguardando resultados de exames, sendo 32 internados em hospitais e 559 em isolamento domiciliar.

A ocupação de leitos exclusivos para o novo coronavírus na rede pública e privada aumentou de 59% para 64% nesta terça-feira. Dos 58 leitos, 37 estão ocupados – ontem eram 34. Esse número se refere aos quartos com respiradores.

Já os leitos sem esses equipamentos tiveram uma queda de 75% para 61% de ocupação de segunda para terça, com 41 dos 67 ocupados. A ocupação nos leitos com respiradores do HM também subiu de 24% para 35%, enquanto houve queda de 94% para 56% nos sem respiradores.

Podcast Além da Capa
Depois de três semanas novamente na fase vermelha, Americana e região completaram um ciclo de duas semanas na fase laranja e, na última sexta-feira, avançaram à fase amarela do Plano São Paulo pela primeira vez. Esse episódio dá o tom do contexto local diante da etapa mais flexível vivida até agora desde o início da quarentena provocada pela pandemia do novo coronarívus (Covid-19).

Publicidade