Alunos do Caic abrem cantina e viram empreendedores

Alunos do 6º, 7º, 8º e 9º anos do Caic estão inovando na escola com cantina, grupos de estudos, artesanato e papelaria


Alunos do 6º, 7º, 8º e 9º anos do Caic (Centro de Atendimento Integral à Criança), da Rede Municipal de Ensino de Americana, que participam do projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos, estão inovando na escola com cantina, grupos de estudos, artesanato e papelaria. As turmas de 9º ano abriram uma cantina há cerca de 20 dias.

A professora de Ciências da escola, Dircemilia Tarifa, começou o projeto em meados de setembro. Sua primeira tarefa foi abrir, em conjunto com os alunos que estão no 9º ano, uma empresa empreendedora. “Os alunos se formam este ano e queriam arrecadar fundos para um passeio no final do ano”, disse.

Foto: Marília Pierre / Prefeitura de Americana
Projeto tem o acompanhamento de professores da escola e alunos trabalhando

Os alunos discutiram e resolveram abrir uma cantina. Em seguida votaram na escolha do nome: Cantina Bom De+++++. O primeiro problema foi arrumar capital inicial para montagem do empreendimento. “Um professor nos emprestou 130 reais”, disse a gerente geral do negócio, representando todas as salas do 9º ano, a aluna Ana Carolina Sato, de 14 anos.

O segundo problema: arrumar fornecedor de salgados. Conseguiram dois. Um vendia os salgados menores e mais barato e o outro maior e mais caro. Após consulta à “clientela” dos períodos da manhã e da tarde, a solução foi definida. “De manhã vendemos o salgado maior e à tarde o menor por um preço mais baixo”, afirmou Ana. Cerca de 200 alunos frequentam a cantina, que fica no andar térreo, cercada por mesas pequenas. O negócio funciona duas vezes por semana. Às terças pela manhã e às quintas à tarde.

Foto: Marília Pierre / Prefeitura de Americana
Cantina funciona duas vezes por semana nos períodos da manhã e da tarde

Na fila, aguardando sua vez, Kamile Eduarda, de 15 anos, comentou. “Achei inovadora a ideia. Aqui só tinha comida da escola. Acho legal a participação dos colegas”. No Caic não há cantina.

Ana, no papel de gerente geral, disse como desempenha sua função. “Organizo a equipe e fico de olho para ninguém ficar comendo os salgados que estão à venda”, revelou com um sorriso. “Vendo fiado para alguns alunos que trabalham.” A aluna disse que no final de 2018 o 9º ano terá de realizar uma assembleia para decidir o que vão fazer com o lucro do projeto.

Segundo a professora de Ciências os alunos estão bastante empenhados com a cantina. “Como o projeto tem um objetivo final que é talvez eles irem passear em uma chácara há um ânimo geral. Para a maioria dos alunos o projeto dá um preparo para caso queira, no futuro, abrir um negócio. Esta é uma base para a vida e para o mercado. Esses são os primeiros passos. Se interessarem pelos negócios, terão de procurar apoio do SEBRAE”, afirmou.

Alunos do 8º ano

A professora do Caic, Melissa Casarin, trabalha com os alunos do 8º ano a questão do “Empreendedorismo social”.

“A ação social, como uma das dimensões do empreendedorismo, busca transformar desafios em soluções. No 8º ano, empreendedorismo social tem como finalidade fomentar o potencial do aluno para a responsabilidade social, individual e coletiva, lançando um olhar para sua realidade, despertando para os problemas que acontecem em sua comunidade, fortalecendo, assim, o protagonismo juvenil”, disse a professora.

Os alunos desenvolvem atividades como grupos de estudos com a finalidade de auxiliar alunos que apresentam dificuldade em alguns conteúdos e arrecadação de gêneros alimentícios para as famílias que estejam precisando. Os professores envolvidos são Melissa Casarin , Celso Carvalho, Maria José do Carmo, Lucinea Rodrigues, Nereu Souza e Regiane Bandeira.

O projeto

O objetivo do projeto do SEBRAE é levar aos alunos, por meio das matérias já inclusas no currículo escolar e, de maneira lúdica, o empreendedorismo. O curso é destinado a fomentar a educação e a cultura empreendedora. Ele procura apresentar práticas de aprendizagem, considerando a autonomia do aluno para aprender, além de favorecer o desenvolvimento de atributos e atitudes necessários para a gestão da própria vida.

Dessa forma, o curso, aliado a um ambiente propício à aprendizagem, favorece o envolvimento dos jovens estudantes no próprio ato de fazer, pensar e aprender. Por meio de atividades lúdicas, o ambiente da aprendizagem sensibiliza os estudantes a assumirem riscos calculados, a tomarem decisões e a terem um olhar observador para que possam identificar, ao seu redor, oportunidades de inovações, mesmo em situações desafiadoras.

As informações são da assessoria de comunicação da Prefeitura de Americana.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!