Ajudante confessa que matou empresária e pede perdão para família

Bruno César Bueno Bernava chorou por diversas vezes durante os depoimentos de acusação; ele está sendo julgado hoje pelo Tribunal do Júri


O ajudante de cozinha Bruno César Bueno Bernava, de 30 anos, confessou nesta terça-feira (18), durante julgamento no Fórum de Americana, ter matado a empresária Kátia Keiko Picioli Ferreira. Interrogado durante o Tribunal do Júri, ele admitiu que a matou por causa de ciúmes. O crime aconteceu na manhã do dia 22 de outubro de 2018.

Foto: Reprodução
Bruno Bernava e Kátia Keiko: assassinato de empresária de Americana foi motivado por ciúmes

“Confesso a todos presentes nesse plenário que infelizmente cometi tal crime. Me arrependo profundamente, peço perdão a todos, inclusive a família da Kátia e a minha família. Eu não sou digno de fazer minha defesa, por isso deixo para meu advogado”, disse Bruno.

Foi desta maneira que o ajudante começou seu depoimento, no Fórum de Americana. Ele foi o último a ser ouvido. Durante os depoimentos das testemunhas de acusação, Bruno chorou, mostrando inquietação.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

Bruno e Kátia se relacionaram por mais de dois meses. O ajudante narrou que a empresária tinha lhe chamado para ir até a casa dela na manhã do crime para conversarem. Já dentro do imóvel, Bruno se aproveitou de um momento de desatenção da mulher para pegar o celular dela.

Ele alega que viu uma troca de mensagens de Kátia com um rapaz e que se irritou com o conteúdo. “Aí foi a hora que eu perdi a cabeça e a gente começou a discutir. Ela veio pra cima de mim, ela foi para o banheiro, eu fui atrás. Ela começou a jogar objetos em mim. Foi onde eu imobilizei ela por trás e infelizmente aconteceu essa tragédia”, acrescenta.

Bruno também confessou que esteve nos quatro dias anteriores ao crime sob uso de cocaína e que estava “louco”, ainda sob efeito de drogas, quando matou Kátia. Apesar disso, nega que tenha tido a intenção de mata-la e que apenas queria imobilizá-la.

Esse é o ponto de divergência entre o réu e a acusação. Bruno alega que o que matou a empresária foi o mata leão aplicado nela quando eles brigaram dentro da casa, enquanto o laudo pericial mostra que ela morreu duas horas depois, já fora da casa.

O corpo dela foi encontrado com uma toalha enrolada no pescoço. O acusado porém, nega que tenha usado a toalha para asfixiar a vítima. Além disso, havia hematomas na cabeça dela e sangue no chão da casa.

Bruno novamente negou ter a acertado com socos. “Jamais tive a vontade de tirar a vida da Kátia ou de outra pessoa. A intenção era acalmá-la”, relatou.

Foto: Reprodução
A empresária Katia Keiko Picioli Ferreira tinha 40 anos e deixou três filhos

O julgamento segue com o pronunciamento do promotor do MP (Ministério Público). Depois, será a vez dos advogados do réu falarem. O júri decidirá se condena ou absolve o réu e o juiz dosará a pena em caso de condenação.

Fim do relacionamento

As testemunhas ouvidas durante o julgamento relataram que o relacionamento entre os dois havia terminado semanas antes do assassinato. Kátia tinha um filho e duas filhas – essas deixaram a casa para morar com o pai por não aprovarem o relacionamento.

A situação teria magoado a empresária, que decidiu pelo término. Mas Bruno não teria respeitado a decisão e passou a seguir Kátia onde ela ia. A mulher chegou a trocar as fechaduras da casa depois que o relacionamento acabou.

Além da Capa, o podcast do LIBERAL

A trajetória do impasse em torno da lei municipal de incentivo ao esporte em Americana é o assunto desta edição do Além da Capa. Ouça:

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora