09 de agosto de 2022 Atualizado 19:25

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Acusado de abuso sexual, Padre Leandro é demitido pelo Papa Francisco

Pontífice tomou a decisão pelo “bem da Igreja”, segundo comunicado; agora ex-religioso comandava a basílica de Americana

Por Rodrigo Alonso

11 de março de 2022, às 15h11 • Última atualização em 11 de março de 2022, às 19h46

Acusado de abuso sexual por quatro ex-coroinhas, o padre Pedro Leandro Ricardo, ex-reitor da Basílica Santo Antônio de Pádua, de Americana, foi demitido de seu estado clerical por determinação do Papa Francisco, conforme nota divulgada nesta sexta-feira (11) pela Diocese de Limeira.

Determinação veio do Vaticano, de acordo com a diocese – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Segundo o comunicado, o pontífice tomou essa decisão para o “bem da Igreja”, por solicitação da Congregação para a Doutrina da Fé, sediada no Vaticano, após procedimento canônico próprio.

“A partir da data de hoje, após a devida notificação, o senhor Pedro Leandro Ricardo não poderá mais exercer, válida e licitamente, o ministério sacerdotal”, diz o bispo Dom José Roberto Fontes Palau.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A diocese não informou o motivo. Porém, sabe-se que Leandro é investigado pelo crime de atentado violento ao pudor contra quatro ex-coroinhas em Araras. Testemunhas e envolvidos já prestaram depoimentos, e o padre demitido aguarda sentença. O processo tramita em segredo de Justiça.

Por conta das acusações, Leandro está afastado da Basílica Santo Antônio de Pádua desde 2019. Os casos teriam acontecido entre 2002 e 2005, quando o agora ex-religioso atuava em Araras.

Outro lado
Leandro alegou inocência no caso que motivou a punição e falou em perseguição por parte da Diocese de Limeira.

Depois de três anos sem falar com a imprensa por determinação da Igreja, ele disse, em entrevista ao LIBERAL, que foi absolvido em 2020 no processo canônico sobre a acusação de assédio sexual contra quatro ex-coroinhas em Araras.

Leandro apontou que a demissão se refere a um segundo processo, aberto a partir de uma denúncia feita por um outro fiel, também de Araras.

Publicidade