Ação Social auxilia Casa Dia a achar novo espaço

Imóvel público que a entidade ocupa na Avenida Bandeirantes está interditado


A Secretaria de Ação Social tem auxiliado a Casa Dia, entidade de Americana que oferece apoio a dependentes químicos e alcoólatras, a encontrar um novo local de funcionamento. A entidade vai precisar deixar o prédio público onde atua há duas décadas, na Avenida Bandeirantes, pois o imóvel foi interditado.

Nesta terça-feira, foi realizada uma visita ao prédio onde funcionava a Emei Jaci, no Conjunto Habitacional Mário Covas, um dos locais que podem receber o serviço.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

Presidente do Centro Dia, Eyn Melo Ribeiro comemorou o apoio recebido. “Já não estamos na rua, entende? O peso saiu, estamos muito mais aliviados”, declarou.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal_4.11.2019
Eyn Melo Ribeiro preside a Casa Dia; ele fala em alívio com a indicação de novo endereço

Ribeiro avaliou que o imóvel no Mário Covas consegue atender a demanda da entidade. “Vai precisar de algumas adaptações, as pias são baixinhas porque eram crianças que usavam, vi vazamento numa parede que é coisa simples de se resolver. O terreno é grande, dá para fazer horta, ter plantas”, reconheceu.

A única preocupação do presidente é a distância até o Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi. “Já tive caso de alcoólatras que tiveram convulsão. Eu levo para o hospital em um minuto. Se estiver no Mário Covas a dificuldade vai ser maior”, pontuou.

A Secretaria de Saúde explicou que o imóvel foi interditado pela Unidade de Vigilância, pois não possuía as condições para o funcionamento, tanto estrutural quanto documental.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

A pasta explicou que também falta o projeto arquitetônico, documento que é expedido pela vigilância onde consta a atividade a ser desenvolvida no local, recursos humanos que a organização terá, a capacidade máxima de usuários e os ambientes mínimos necessários.

A Casa Dia sabia das pendências, mas informou que não pôde resolvê-las por falta de condições financeiras.

A prefeitura informou que o prédio na Avenida Bandeirantes deve receber unidades de Assistência Social, mas que o serviço ainda não foi definido.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora