Hérnia de disco atinge mais de 5 milhões de brasileiros

Embora a maioria dos casos seja hereditário, 80% das pessoas estão sujeitas a sentirem dores nas costas em algum momento da vida


Ficar sentado por longos períodos e carregar peso em excesso são alguns dos fatores que propiciam o surgimento da hérnia de disco. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 5,4 milhões de brasileiros sofrem com o problema no País. Para quem ainda não está familiarizado, a hérnia de disco é o desgaste da estrutura entre as vértebras, ou melhor, dos “amortecedores” naturais entre os ossinhos da coluna. Desgastada, dependendo do movimento, a estrutura se desloca e comprime os nervos da região.

Embora a maioria dos casos seja hereditário, “80% das pessoas estão sujeitas a sentirem dores nas costas em algum momento da vida”, afirma o fisioterapeuta Joe Rosário. “A coluna protege a medula, que faz toda a comunicação entre cérebro e corpo, e precisa ser muito móvel para permitir o movimento do corpo. Soma-se isso aos nossos maus hábitos posturais e ao estresse da vida moderna e teremos uma grande receita para problemas na região da coluna”, completa. Sobrepeso e obesidade são considerados fatores de risco.

A hérnia de disco é mais comum em pessoas entre 35 e 40 anos. A lombar é a região mais afetada por suportar mais peso e ter maior mobilidade que a cervical. “Isso faz dela mais suscetível a lesões. Além disso, muitas disfunções de quadril doem na lombar”, comenta Rosário.

Foto: Fotolia
A hérnia de disco atinge mais de 5 milhões de brasileiros e, se não tratada, pode levar à cirurgia

SINTOMAS
Sentir dores na coluna é apenas um dos sinais da existência de uma hérnia. As dores são gradativas e podem se tornar insuportáveis se não forem tratadas, além de afetarem braços e pernas. Elas são mais comuns à noite, ao espirrar, ao tossir e enquanto caminha. O problema também pode causar dor ciática (ao longo do nervo ciático); formigamento, queimação ou fraqueza nos membros inferiores e superiores; travamento da nuca (pescoço duro); alterações nos reflexos e nos hábitos urinários e intestinais. Em outras palavras, a hérnia de disco prejudica a qualidade de vida e a rotina da pessoa.

“Existem muitas bandeiras vermelhas que fazem uma dor se tornar suspeita. Um exemplo são as dores que acordam o paciente durante a noite – isto tem a chance de ser câncer, por exemplo”, alerta o fisioterapeuta.

TRATAMENTO
Na maioria dos casos o tratamento é feito com anti-inflamatórios e analgésicos, acompanhados de sessões de fisioterapia. É possível associar yoga, pilates e acupuntura. A maioria dos casos pode ser revertida com as terapias “manuais” aqui citadas. A cirurgia é indicada somente para os casos extremos, quando o tratamento convencional não traz o efeito esperado.
Os cuidados com a postura e as terapias devem ser contínuos, pois tão logo os velhos hábitos retornem, mesmo que já foi operado por causa do problema, podem desenvolver uma nova(s) hérnia(s). “É possível ficar sem dor, mas sempre se cuidando para não ter o problema outra vez”, frisa.

Consultoria: Clínica Doutor da Coluna – Unidade Campinas

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!