22 de junho de 2021 Atualizado 14:41

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

Queiroga admite, na CPI, falta de comprovação sobre cloroquina

Ministro disse que discussão calorosa sobre o medicamento em nada contribui para pôr fim à pandemia

Por Agência Estado

08 jun 2021 às 10:47 • Última atualização 08 jun 2021 às 11:25

No segundo depoimento à CPI da Covid, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reconheceu não haver evidência científica de que a hidroxicloroquina e a ivermectina funcionem para tratar a Covid-19.

A declaração foi dada logo na fala inicial do ministro aos senadores, antes do interrogatório do relator, Renan Calheiros (MBD-AL). Na primeira oitiva, Queiroga irritou os integrantes da CPI ao não dizer o que pensava sobre o uso desses medicamentos em pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Apesar da declaração, Queiroga citou médicos que estão na “linha de frente” e “relatam casos de sucesso com esses tratamentos”. O presidente Jair Bolsonaro é entusiasta do uso de medicamentos que não são recomendados para pacientes com Covid-19.

Segundo Queiroga, a discussão sobre o tratamento precoce contra covid-19 tem gerado “forte divisão na classe médica”. “De um lado, aqueles, como eu, que sou mais vinculado a sociedades científicas. Do outro lado, médicos assistenciais que estão na linha de frente e relatam casos de sucesso com esses tratamentos. Eles discutem de maneira calorosa, e cabe a mim harmonizar esse contexto para termos condição mais pacífica na classe médica”, afirmou Queiroga.

O ministro disse também que essa discussão calorosa em nada contribui para pôr fim à pandemia do novo coronavírus. “O que vai pôr fim é ampliar a campanha de vacinação. Meu foco é exclusivo, ampliar a campanha de vacinação”, declarou Queiroga.

O ministro da Saúde ainda afirmou que o debate sobre o tratamento da covid está em instância técnica, com a elaboração de um protocolo pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). “Dei solução que existe na legislação, é da Conitec a prerrogativa de elaborar protocolos clínicos”, disse ele. “Consulta pública pode trazer consenso sobre tratamento hospitalar. Tratamento não é matéria legislativa, entendo que cabe à Conitec”, afirmou.

Publicidade