Poder Judiciário está sendo sufocado, diz desembargador


O desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, avalia que o Judiciário tem de ter ‘voz no meio político’. Para ele, ‘o Poder Judiciário está sendo sufocado’. Alves da Rocha foi eleito presidente do Colégio de Presidentes dos Tribunais de Justiça (Codepre) – criado com a meta de atuar ‘na defesa do Poder Judiciário, especialmente sua autonomia e independência’.

O Colégio também vai trabalhar em estudos de matérias jurídicas e de questões judiciais com repercussão em mais de um Estado e no intercâmbio de experiências funcionais e administrativas, ‘sempre com foco no aperfeiçoamento da prestação jurisdicional’.

O Colégio terá em sua composição apenas desembargadores que estiverem no exercício da Presidência de seus tribunais.

As informações sobre o Colégio foram detalhadas pela Comunicação Social do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A criação do Colégio ocorreu na quinta, 20, na sede do TJ de São Paulo. Participaram da reunião, no Salão Nobre do Palácio da Justiça, representantes de 22 tribunais. Foi eleita a primeira Comissão Administrativa do Colégio. Alves da Rocha é o presidente, O vice é o desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, que preside o TJ paulista. E o desembargador Fernando Cerqueira Norberto dos Santos, mandatário do Tribunal de Pernambuco, foi escolhido secretário-geral.

Com a criação do Colégio, seus integrantes se desligarão do Conselho dos Tribunais de Justiça do Brasil, composto por presidentes e ex-presidentes de TJs.

Além da Comissão Administrativa, o Codepre contará com a atuação de um Conselho Fiscal e Consultivo, integrado pelos desembargadores Cláudio de Mello Tavares (Tribunal de Justiça do Rio), Ricardo José Roesler (Santa Catarina) e Washington Luis Bezerra de Araújo (Ceará).

A reunião de trabalho dos presidentes dos Tribunais foi conduzida pelo anfitrião, desembargador Pinheiro Franco. “Estamos reunidos para debater ideias e saímos fortalecidos e engrandecidos”, disse o presidente da Corte paulista.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora