08 de maio de 2021 Atualizado 17:11

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

Ministro da Casa Civil, Ramos diz que se vacinou escondido por ‘orientação’

Sem saber que era gravado, ministro ainda disse que tenta convencer o presidente Jair Bolsonaro a receber a vacina

Por Agência Estado

28 abr 2021 às 08:10 • Última atualização 28 abr 2021 às 09:48

O ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, afirmou na terça-feira que tomou “escondido” a vacina contra a Covid-19, por “orientação”, para “não criar caso”. Sem saber que era gravado, Ramos disse, em reunião do Conselho de Saúde Suplementar, que também tenta convencer o presidente Jair Bolsonaro a receber a vacina.

Luiz Eduardo Ramos e o presidente Jair Bolsonaro, em evento em 2019 – Foto: Marcos Corrêa / PR_04.07.2019

“Tomei escondido, né, porque era a orientação, mas vazou (…) Estou envolvido pessoalmente, tentando convencer o nosso presidente (a tomar a vacina), independentemente de todos os posicionamentos. Nós não podemos perder o presidente para um vírus desse”, observou o titular da Casa Civil, que tem 64 anos. “A vida dele, no momento, corre risco”, admitiu Ramos. Na reunião, Paulo Guedes, titular da Economia, disse que “o chinês” criou o vírus da Covid-19.

Ramos disse não ter “vergonha” de ser imunizado. “Vou ser sincero. Eu, como qualquer ser humano, quero viver. Tenho dois netos maravilhosos, uma mulher linda. Tenho sonhos ainda. Quero viver, porra! Se a ciência, a medicina, está dizendo que é vacina, quem sou eu para me contrapor?” Na reunião, o ministro afirmou que a pandemia é “uma praga”, que está “ceifando vidas”. Disse que a doença não tem “partido”.

Aos 66 anos, Bolsonaro poderia ter sido vacinado desde o dia 3 no Distrito Federal. Afirmou, porém, que já está imunizado e só o fará “depois que o último brasileiro” tiver sido vacinado.

No Twitter, Ramos disse que inventam “crise onde não existe”. “Como tomei vacina escondido se saiu na imprensa?”, perguntou, embora a frase sobre a “orientação” esteja gravada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade