14 de julho de 2024 Atualizado 17:19

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Ministra do STJ vota por afastamento de aliados de Gladson nomeados na Assembleia e no TCE-AC

Por Agência Estado

11 de junho de 2024, às 17h33

A ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), votou nesta segunda-feira, 10, pelo afastamento imediato de aliados do governador do Acre (AC), Gladson Cameli (PP), de cargos comissionados na Assembleia Legislativa e no Tribunal de Contas do Estado. Eles são investigados na Operação Ptolomeu.

A reportagem entrou em contato com a Assembleia Legislativa e com a Corte de Contas e aguarda resposta.

Em decisão anterior, a ministra mandou afastá-los das funções no Governo do Acre. Após perderem os cargos, eles foram nomeados para as novas posições, fora do domínio direto do Poder Executivo, com salários de até R$ 23 mil.

A movimentação chamou a atenção da Polícia Federal, que alertou o Superior Tribunal de Justiça. A suspeita é que o governador tenha influenciado as nomeações.

Gladson nega ingerência nas indicações e afirma que “não cabe ao governo acompanhar a carreira de ex-servidores”.

Em seu voto, a ministra Nancy Andrighi, relatora da investigação, afirmou que a “rápida alocação” dos investigados em novos cargos “corrobora, a priori, a força que a suposta organização criminosa detém no Estado”.

A ministra argumentou ainda que não é “recomendável” que servidores afastados por suspeita de crimes contra a administração pública sejam nomeados para novos cargos comissionados. “Havendo, inclusive, o possível risco de que práticas ilícitas sejam incorporadas a esses órgãos.”

“A manutenção dos referidos investigados em cargos públicos comissionados, além de transmitir a mensagem de que é possível burlar a persecução penal por via oblíqua, reforça a capilaridade da apontada organização criminosa”, diz um trecho do voto.

Nancy Andrighi alertou que o descumprimento das medidas cautelares decretadas na Operação Ptolomeu pode agravar as restrições e gerar, inclusive, o “afastamento de cargo público eletivo” e a prisão dos investigados.

‘Gabinete fantasma’

Como mostrou o Estadão, a Polícia Federal identificou que os aliados do governador foram nomeados para cargos em um “gabinete fantasma” na Assembleia Legislativa do Acre. Eles foram vinculados indevidamente ao ex-deputado estadual Eduardo Farias, que encerrou o mandato em 2015. O ex-parlamentar afirma que não sabia da situação.

A Assembleia Legislativa alega que houve uma “falha” no registro e compartilhamento de informações sobre as nomeações, o que teria gerado uma “divergência” nos dados sobre a lotação dos servidores. A Casa Legislativa alega que eles estavam trabalhando regularmente.

Entre as nomeações à Assembleia Legislativa e ao TCE do Acre, o relatório da PF menciona:

– Anderson Abreu de Lima, tio de Gladson Cameli e ex-secretário de Indústria, Ciência e Tecnologia do Acre;

– Rosângela da Gama Pereira Pequeno, que foi chefe de gabinete do governador e chegou a ser presa na investigação;

– Carlos Augusto da Silva Negreiros, coronel da Polícia Militar;

– Glayton Pinheiro Rego, engenheiro civil;

– Jefferson Luiz Pereira de Oliveira, apontado como “operador financeiro” do governador;

– João Lima de Souza;

– Arlindo Garcia de Souza.

A Operação Ptolomeu foi fatiada em nove inquéritos. Já são dezenas de suspeitos e mais de 22 mil páginas de documentos. Gladson Cameli é o principal investigado. Ele é réu em uma primeira ação aberta a partir das investigações. O governador nega irregularidades e diz ser vítima de perseguição.

Publicidade