24 de julho de 2024 Atualizado 22:12

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Lula deveria ter formado uma ‘mesa da frente ampla’ após eleições de 2022, diz Dirceu

Por Agência Estado

08 de julho de 2024, às 09h17

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu disse, em entrevista ao Canal Livre, da Bandeirantes, divulgada neste domingo, 7, que o governo deveria ter formado uma “mesa da frente ampla” que apoiou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva logo após a eleição de 2022, com o intuito de dar “uma cara da frente ampla”.

“(Nas eleições) O governo conseguiu um diálogo com Congresso e forças políticas. O que não aconteceu (depois das eleições)? Devíamos ter constituído uma mesa da frente ampla, com personalidades, com endereço, com posições de apoio ao governo, de propostas e críticas. Com uma cara da frente ampla. Como os partidos têm”, disse o ex-ministro.

Dirceu disse que pretende reorganizar sua vida nos próximos meses antes de decidir seu futuro político. Ele afirmou que teria sido preso no âmbito da Operação Lava Jato para que fizesse uma delação premiada.

“Tenho que reorganizar a minha vida. À medida em que vou sendo absolvido. Fui preso quatro vezes, não me deixavam solto, porque queriam que eu fizesse delação. Eu escrevi dois livros de memórias, o segundo que devo publicar até março. Procurei ler e reler clássicos brasileiros”, afirmou o ex-ministro, citando que ainda “há uma pendência” na Justiça.

“A única razão para me prender era para denunciar o Lula. Está na Vaza Jato as conversas. ‘Arruma um processo aí, denuncia a filha dele que ele faz delação. Ele vai morrer na prisão. Agora vai fazer delação quando denunciarmos a filha dele’. O (Antonio) Palocci é outra história que não vou entrar aqui porque não é do meu feitio”, declarou.

Questionado se jantou com o presidente Lula nos últimos dias, negou. “Não falo com o presidente pessoalmente desde que ele tomou posse. Eu falo com os ministros, com presidentes de partido. Tenho relação com deputados, senadores e governadores. Atuo politicamente, isso é quase necessário na minha vida”, declarou.

“Agora é a eleição de 2024 que interessa, depois a renovação do PT no ano que vem. Aí em 2026, vamos ver como me recoloco na vida política institucional do País”, completou.

Publicidade