05 de agosto de 2021 Atualizado 01:17

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Houve por parte do governo federal retaliações ao Estado do RJ, diz Witzel

Por Agência Estado

16 jun 2021 às 12:42 • Última atualização 16 jun 2021 às 15:05

Em depoimento à CPI da Covid, o governador cassado do Rio Wilson Witzel disse que foi alvo de retaliações por parte do governo federal, em razão de críticas que dirigiu ao presidente Jair Bolsonaro e sua administração. “Governo e o presidente começaram a me retaliar. Tínhamos dificuldade de falar com ministros para sermos atendidos. Vi (Paulo) Guedes em avião e ele virou a cara e saiu correndo dizendo ‘não posso falar com você'”, relatou o ex-governador, que afirmou ter havido contingenciamento de verbas durante processo de impeachment no Rio.

Ele contou ainda sobre um episódio com ex-ministro da Justiça Sergio Moro no qual o ex-juiz federal teria passado um “recado” de Bolsonaro a Witzel. Segundo o relato do ex-governador, Moro disse a ele para “parar de falar que quer ser presidente”, a pedido de Bolsonaro. “Acho que papel de menino de recado não se espera de você que, como eu, é magistrado de carreira”, afirmou Witzel sobre o que teria dito ao ex-ministro. Segundo o governador cassado, Moro relatou a ele que a reunião entre os dois não poderia se tornar pública.

“Há indícios de intervenção no RJ no caso Marielle e atos de perseguição contra mim”, disse o ex-governador, segundo quem Bolsonaro o chamou de “estrume, ditador e leviano”.

‘Limpando a barra’

O membro bolsonarista da CPI da Covid, senador Jorginho Mello (PL-SC), criticou, em publicação no Twitter, a oitiva do governador cassado. “O depoente Witzel veio à CPI pra responder os questionamentos ou fazer discurso barato pra ver se limpa a sua barra e joga a culpa da sua gestão vexaminosa no colo do Governo Federal? Francamente. Ainda temos que ouvir que ele e Lula são vítimas de ‘pau de arara moderno'”, escreveu.

Publicidade