15 de julho de 2024 Atualizado 23:10

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

‘Corrupto’, ‘ladrão’ e ‘comunista’: relembre o que Milei já falou sobre Lula

Por Agência Estado

08 de julho de 2024, às 09h17

O presidente da Argentina, Javier Milei, esteve no Brasil no fim de semana dos dias 6 e 7, mas não encontrou-se com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com quem coleciona embates. A viagem do líder de direita é sua primeira visita ao Brasil desde a posse no final de 2023, e teve como objetivo a participação da versão brasileira da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC Brasil), em Balneário Camboriú (SC). Em seu discurso no evento, Milei disse que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) é perseguido pela Justiça e criticou governos socialistas, mas desta vez não mencionou o nome Lula.

O confronto entre as duas lideranças, contudo, está aquecido. Na última semana, Milei chegou a dizer que Lula é “corrupto” e “comunista”, em acusações que não são inéditas. A relação entre os líderes vizinhos e rivais políticos é marcada por ofensas desde o período eleitoral argentino, em que Milei se lançava como o candidato da direita e afirmava que o petista atuava contra sua candidatura. Em uma ocasião, Milei chamou Lula de “comunista furioso”.

No episódio mais recente, Lula exigiu que Milei se retratasse por já ter dito “muita bobagem” sobre ele e o Brasil, como condição para que uma reunião de trabalho entre os dois pudesse ocorrer. Em resposta, o argentino afirmou só ter dito “a verdade” e que petista tem “ego inflamado”.

“As coisas que eu disse, ainda por cima, são corretas. Qual o problema de chamá-lo de corrupto? E por acaso não foi preso por ser corrupto? Eu o chamei de comunista. E por acaso não é comunista? Desde quando tenho que pedir perdão por dizer a verdade?”, rebateu Milei, durante entrevista à TV La Nación+.

As provocações já vêm dos primeiros dias do governo petista, em 2023, quando Milei afirmou que o presidente brasileiro faz parte de um grupo de “políticos ladrões”, que é um “socialista de bons modos” e que trabalha para o Foro de São Paulo. O Estadão Verifica explicou os mitos e verdades sobre essa organização. Embora convidado, Lula não compareceu à posse do argentino.

O mesmo teor de insultos ocorreu durante a campanha presidencial da Argentina, quando Milei disse que Lula esteve preso porque era corrupto, acusou o petista de ser “comunista” e “totalitário” e de interferir na disputa eleitoral de 2023 para beneficiar o ex-ministro da Economia Sergio Massa, rival político de Milei e que teve o apoio do presidente brasileiro.

Na terça-feira, 2, Milei citou Lula em seu perfil no X (antigo Twitter), em um texto intitulado “o perfeito dinossauro idiota”. Na publicação, ele afirma mais uma vez que o brasileiro é “corrupto” e “comunista”, e que o presidente interferiu nas eleições argentinas.

O argentino avisou oficialmente ao Itamaraty sobre sua vinda para o Brasil somente na última quinta-feira, 4, e, na esteira do confronto com o petista, cancelou sua participação na Cúpula do Mercosul – embora, oficialmente, o porta-voz da Casa Rosada, Manuel Adorni tenha negado que a desistência de comparecer à reunião de chefes de Estado tenha relação com algum incômodo com Lula.

O Estadão mostrou que as chancelarias dos dois países trabalham nos bastidores por uma aproximação e a construção de uma relação pragmática entre os líderes. Os ministros de Relações Exteriores atuaram para amenizar as divergências ideológicas e abrir canais de diálogo, mas a nova rodada de insultos e acusações, além da visita de Milei sem visitar o “dono da casa”, pode colocar em risco os eventuais avanços na relação.

Publicidade