China será assunto de 1º encontro de Bolsonaro com americanos

Em queda de braço com os chineses, os EUA querem o novo governo brasileiro como um aliado contra o que consideram o 'comércio predatório'


O primeiro encontro entre o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e autoridades dos Estados Unidos depois da posse do brasileiro terá na pauta a relação comercial com a China. Em queda de braço com os chineses, os EUA querem o novo governo brasileiro como um aliado contra o que consideram o “comércio predatório” da China na América Latina.

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
Bolsonaro deve ser aliado do governo norte-americano frente à China

O secretário de Estado Mike Pompeo, encarregado de liderar a delegação americana que comparecerá à posse de Bolsonaro, disse que o presidente eleito já declarou que os chineses estariam “comprando o Brasil”.

“A relação do Brasil com a China é uma decisão de soberania do Brasil, mas notamos alguns comentários do presidente eleito sobre a preocupação dele a respeito do papel da China e essa é uma conversa que temos no hemisfério ocidental – tivemos no Panamá, tivemos com o Canadá, com o México. É uma questão em andamento.”

Pompeo também vai incluir na agenda com Bolsonaro questões sobre Venezuela, Nicarágua e Cuba – o que já foi chamado pelo assessor americano John Bolton de “troica da tirania”. “Os Estados Unidos esperam trabalhar com o Brasil para apoiar os povos desses países que estão lutando para viver em liberdade.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora