18 de julho de 2024 Atualizado 19:44

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Bolsonaro questiona ‘faculdades mentais’ de Lula: ‘Imposto na cervejinha e na picanha’

Por Agência Estado

03 de julho de 2024, às 19h27

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) usou as redes sociais nesta quarta-feira, 3, para atacar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em um post no X, Bolsonaro diz que “o filho do sistema não está com suas faculdades mentais normais”, em referência ao presidente, e afirma que o petista é “um indivíduo dominado pelo ódio, pela mentira e pela traição”.

“Qualquer inocente sabe que o filho do sistema não está com suas faculdades mentais normais. Um indivíduo dominado pelo ódio, pela mentira e pela traição. Desejamos a ele, como ser humano, que melhore o mais rápido possível para o bem do Brasil. Enquanto isso a picanha que virou abóbora agora se transformou em pé de galinha. O chefe da organização então taca imposto na cervejinha e na picanha, os principais produtos que fez campanha enganando o eleitor!”, escreveu Bolsonaro.

Bolsonaro cita uma série de feitos que teriam sido atingidos durante o seu mandato na Presidência da República: “Diminuíamos gradativamente o estado, fechávamos as contas com superávit, distribuímos mais recursos a estados e municípios, descentralizando o poder do Executivo Federal, reduzíamos impostos e aumentávamos a arrecadação”.

Nesta terça, 2, Lula alfinetou Bolsonaro e disse que o ex-presidente nunca mais voltará à chefia do Executivo após perder o pleito de 2022 e se tornar inelegível até 2030. Segundo o presidente, a extrema-direita precisará se adequar ao regime democrático e ao diálogo, o que inviabilizaria candidaturas radicais como de Bolsonaro.

“Perdeu. Perdeu as eleições e eu vou contar uma coisa para vocês: não volta mais. Esse povo vai ter que aprender a gostar da democracia, vai ter que aprender a conviver de forma civilizada, de forma educada, um respeitar o outro”, disse Lula.

O presidente afirmou, durante a mesma entrevista à rádio baiana Sociedade, desta terça, que espera ver os grupos de oposição aderindo à negociação política moderada e ao ideário de combate às desigualdades.

Publicidade