20 de julho de 2024 Atualizado 18:17

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Bolsonaro, indiciado pela PF, avisa: ‘Tenho 300 e poucos processos e a gente não vai recuar’

Durante o pronunciamento, Bolsonaro voltou a questionar os processos que o tornaram inelegível e disse que "pressentiu" os atos golpistas ocorridos no dia 8 de janeiro

Por Agência Estado

06 de julho de 2024, às 20h15 • Última atualização em 07 de julho de 2024, às 11h35

Declaração foi dada no ato de encerramento do primeiro dia da Conferência de Política Ação e Conservadora - Foto: Reprodução

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que “não irá recuar” mesmo com investigações da Polícia Federal (PF) em curso contra ele. “Apesar de a PF ter ido três vezes na minha casa, hoje já tenho 300 e poucos processos ainda. Vale a pena. A gente não vai recuar”, discursou.

A declaração foi dada no ato de encerramento do primeiro dia da Conferência de Política Ação e Conservadora (CPAC Brasil), neste sábado, 6. Perguntado pelo Estadão sobre o indiciamento pela PF, Bolsonaro desconversou: “eu falo ao vivo para TV Globo”. O ex-presidente foi acusado de envolvimento na tentativa de vender joias que recebeu como chefe de governo da Arábia Saudita, caso revelado pelo Estadão.

Durante o pronunciamento, Bolsonaro voltou a questionar os processos que o tornaram inelegível, reforçou críticas ao projeto de lei que visa regular as redes sociais e disse que “pressentiu” os atos golpistas ocorridos no dia 8 de janeiro do ano passado.

“Imagina se no dia 30 de dezembro de 2022 eu não tivesse saído do Brasil, com o 8 de Janeiro acontecendo, onde eu estaria numa hora dessa? Não sabia o que iria acontecer, mas pressentia que algo de errado estava por vir”, afirmou.

Ele falou após a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL), que fez críticas a atual primeira-dama, Janja da Silva. “Umas (primeiras-damas) têm vocação para trabalhar, outras para viajar”, disse. Michelle voltou a apelar por mais participação de mulheres de direita na política.

Bolsonaro fez o discurso inaugural na manhã deste sábado. No primeiro pronunciamento, ele ignorou as acusações que pesam contra ele em seu primeiro discurso após o indiciamento pela Polícia Federal no caso das joias sauditas.

Em breve fala, ele criticou o PT, a quem chamou de “partido do trambique” e a imprensa, especificamente a Rede Globo. “Não tenho ambição pelo poder, tenho obsessão pelo Brasil, em que pese quaisquer outras questões que nos atrapalhe”, afirmou.

Ele também disse que está à disposição para ser sabatinado ao vivo em um canal de televisão, mas não citou que seria a Globo. “Se acha que vão me desgastar, as redes sociais nos deram a liberdade. Será a maior audiência da história dessa televisão”.

Bolsonaro chegou a chorar ao assistir um vídeo em sua homenagem. Bolsonaro foi às lágrimas ao ouvir o público cantar “eu sou brasileiro/com muito orgulho/com muito amor”.

O primeiro dia de palestras do CPAC Brasil foi marcado principalmente pelo tom de aconselhamento eleitoral para pré-candidatos a prefeito e vereador nas próximas eleições municipais. O comentarista político Caio Coppola, por exemplo, deu dicas de comunicação ao público. Um dos slides era intitulado “os três pilares de campanhas vencedoras”.

Parlamentares já eleitos contaram experiências de campanhas passadas e ressaltaram a todo momento a importância do bolsonarismo ocupar Câmaras Municipais e Prefeituras para dar sustentação a pré-candidatura de Jair Bolsonaro (PL) a presidente em 2026.

Embora esteja inelegível, eles faziam questão de ressaltar que o ex-presidente ainda é a primeira opção do grupo para o Palácio do Planalto e criticaram governadores aliados que querem se colocar como sucessores de Bolsonaro na próxima eleição.

Publicidade