Bolsonaro dobra o número de seguidores no Twitter em 2019

Presidente e seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio, juntos, conseguiram milhões de seguidores no Twitter durante o primeiro ano de mandato do governo


O presidente Jair Bolsonaro e seus filhos políticos – Carlos, Eduardo e Flávio -, juntos, ganharam milhões de seguidores no Twitter durante o primeiro ano de mandato do governo, um aumento de quase 70% em relação ao que apresentavam no início de 2019. Bolsonaro dobrou o número de seguidores no período, saltando de 2,8 milhões para 5,6 milhões.

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) aumentou seus seguidores em 109%, chegando a 1,5 milhão, enquanto o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) cresceram em 81% e 77%, respectivamente, o número de perfis que o seguem na rede social – alcançando 1,8 milhão e 1,5 milhão, respectivamente. O levantamento foi feito pelo Departamento de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da FGV a pedido do jornal O Estado de S. Paulo.

Foto: Carolina Antunes - PR
Presidente Jair Bolsonaro é uma das celebridades do Twitter no Brasil

“Impopular” no Twitter e até se tornar presidente do Senado um desconhecido do “grande público”, Davi Alcolumbre (DEM-AP) aumentou quase em seis vezes seu número de seguidores na rede social durante seu primeiro ano à frente da Casa. Em 1º de janeiro de 2019, Alcolumbre contava com 30.635 seguidores, já no primeiro dia de 2020, a conta oficial do senador registrava 182 mil seguidores, segundo o levantamento. Apesar da elevação, Alcolumbre ainda está muito atrás de figuras políticas consideradas populares na rede social.

Outros que aumentaram significativamente seus seguidores no microblog no ano passado foram o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Witzel saltou de 41,3 mil para 184,5 mil – aumento de 347% – e Maia foi de 46,3 mil para 251 mil, mais que o quíntuplo do que tinha no início de 2019.

Entre as figuras políticas analisadas pelo DAPP em relação ao aumento de seguidores no Twitter, a que mais chama atenção é a deputada Tabata Amaral (PDT-SP): a novata foi de “míseros” 9,6 mil seguidores para 260 mil, número quase 30 vezes maior. Tabata foi centro de uma polêmica ao comprar uma briga com seu partido votando a favor da reforma da Previdência.

No campo da esquerda, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aumentou em 145% seus seguidores entre o início de 2019 e o de 2020. O petista foi de 558,3 mil para 1,4 milhão de perfis que o seguem no Twitter. Fernando Haddad (PT), ex-prefeito de São Paulo e candidato derrotado à Presidência no segundo turno em 2018, aumentou seus seguidores em 48%, indo de 1,1 milhão para 1,7 milhão. Ciro Gomes (PDT) viu seus seguidores irem de 527,3 mil para 770,1 mil – 46% de aumento.

Alvo de uma campanha contrária da militância digital bolsonarista após o racha do PSL e o “rompimento” com o bolsonarismo, a ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP) teve um crescimento tímido: de 272,5 mil para 308,2 mil, apenas 13% de aumento. Porcentual ainda menor teve o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PSC), que aumentou seus seguidores em 8%.

Muito popular no Twitter em termos de número de seguidores, o apresentador de TV e possível presidenciável Luciano Huck manteve-se estável na casa de quase 13 milhões de seguidores.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora