17 de setembro de 2021 Atualizado 09:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Presidente

Alvo de 48 pedidos de impeachment, Bolsonaro diz que votos valerão até 2022

Com coronavírus, presidente permanece na residência oficial e caminhou até o espelho d'água para conversar com apoiadores

Por Agência Estado

19 jul 2020 às 19:29 • Última atualização 19 jul 2020 às 20:12

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse a apoiadores no Palácio da Alvorada neste domingo (19) que os votos que o elegeram valerão até 2022. “A gente acredita em vocês, vocês estão aqui no coração, fazem movimentos democráticos para exatamente mostrar que o voto de vocês de 2018 vai valer até 2022”, disse. “Quer trocar? Troque nas urnas.”

Bolsonaro é alvo de 48 pedidos de impeachment protocolados na Câmara, à espera de uma decisão do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre pautar ou não algum dos requerimentos.

O presidente está com Covid-19 e permanece em sua residência oficial em Brasília. Ele caminhou até o espelho d’água para conversar com apoiadores que se aglomeraram do lado de fora do Palácio. Muitos deles sem máscaras.

“No momento, estou num bom relacionamento com o parlamento, mas a renovação é natural, até para o cargo de presidente”, disse Bolsonaro.

Fake News

Ele também voltou a criticar o projeto de lei sobre fake news, aprovado pelo Senado e atualmente na Câmara. “Pode ter certeza que não vamos perder nossa liberdade de expressão. Essa mídia livre foi o que elegeu o presidente, que com certeza vai se reeleger de novo”, disse ao comentar que acha que o PL não será aprovado pelos deputados.

Hidroxicloroquina

Bolsonaro segurou uma caixa de hidroxicloroquina, medicamento defendido por ele no tratamento da covid-19, mas sem eficácia comprovada. Ainda aos apoiadores, disse que o Brasil está mudando.

“Temos uma excelente equipe de ministros a começar pelo da Saúde, que está dando certo, e aos poucos vamos construindo o futuro do Brasil”, afirmou o presidente da República, se referindo ao ministro interino, o general Eduardo Pazuello.

Publicidade