24 de fevereiro de 2021 Atualizado 22:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Aliado de ACM Neto é o novo ministro da Cidadania

Por Agência Estado

13 fev 2021 às 06:59 • Última atualização 13 fev 2021 às 09:31

O deputado João Roma (Republicanos-BA) foi escolhido como novo ministro da Cidadania do governo Jair Bolsonaro. O parlamentar assume a vaga deixada por Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que foi deslocado para a Secretaria Geral da Presidência, numa primeira fase da reforma ministerial.

A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta sexta-feira, 12. Roma, de 48 anos, é aliado de ACM Neto, presidente do Democratas. Antes de ser deputado, João Roma foi chefe de gabinete durante a administração Neto na prefeitura de Salvador. Em cinco anos no cargo, era considerado um dos homens fortes de Neto e teve seu apoio para disputar o primeiro mandato de deputado federal, em 2018.

Por causa da crise no DEM – aberta após deputados do partido votarem no candidato à presidência da Câmara apoiado pelo Palácio do Planalto, em vez do indicado por Rodrigo Maia (DEM-RJ) – o ex-prefeito apelou para que Roma não aceitasse a indicação. O deputado, no entanto, ponderou que tinha aspirações pessoais e sua indicação fazia parte de um acordo entre o Republicanos e o Planalto. O ingresso do Republicanos no primeiro escalão de Bolsonaro é a primeira “entrega” a partidos do Centrão que apoiaram a eleição de Arthur Lira (Progressistas-AL), na Câmara.

Principal prejudicado pela movimentação do DEM, Maia criticou o presidente do partido após a nomeação. “ACM Neto mostrou hoje seu caráter”, escreveu no Twitter. Cerca de 20 minutos depois, também no Twitter, ACM Neto lamentou a nomeação. “A decisão me surpreende porque desconsidera a relação política e a amizade pessoal que construímos ao longo de toda a vida”, afirmou.

Quem assume a vaga de Roma na Câmara é a suplente, Tia Eron (BA), que ficou conhecida em 2016 por dar o voto que abriu caminho para a cassação de Eduardo Cunha.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade