08 de agosto de 2020 Atualizado 20:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Recordes de casos de coronavírus ameaçam promessa de reabertura dos EUA

Por Agência Estado

15 jul 2020 às 11:37 • Última atualização 15 jul 2020 às 14:40

O surto de coronavírus nos EUA – antes centrado nos densos centros urbanos de Nova York e Nova Jersey – agora está crescendo em 39 dos 50 estados dos país, das regiões mais quentes no sul e oeste até os do Meio-Oeste. Restrições ao comércio, proibição de reuniões e obrigatoriedade do uso de máscaras tornaram-se fonte de debate em um ano eleitoral cada vez mais polarizado.

Não são mais apenas a Flórida, Arizona, Texas e Califórnia. Estados como Oklahoma e Nevada estão relatando números recordes de novos casos de coronavírus, hospitalizações e mortes, segundo dados rastreados pelo The Washington Post. Mais de 62.000 novas infecções foram notificadas em todo o país na terça-feira, 14, aumentando a contagem total desde que a pandemia começou a ultrapassar os 3,41 milhões.

Fora dos Estados Unidos, esse tipo de crescimento explosivo pode ser encontrado apenas no mundo em desenvolvimento, em países que carecem da riqueza e dos recursos dos Estados Unidos. O número de novos casos relatados somente na Flórida na semana passada ultrapassa a contagem total na maioria dos países europeus.

Pelo menos 133.000 americanos morreram de covid-19 até o momento, com Flórida, Carolina do Norte, Alabama, Nevada e Utah relatando números recordes de mortes na terça-feira.

O número diário de mortes por coronavírus nos Estados Unidos aumentou recentemente após meses de declínio, com quase 4.500 mortes registradas nacionalmente nos últimos sete dias e especialistas alertando que a tendência provavelmente pioraria. Texas, Arizona e Carolina do Sul viram o número de mortos subir mais de 100% nas últimas quatro semanas. Cinco outros Estados – Flórida, Mississippi, Tennessee, Califórnia e Louisiana – tiveram um salto de pelo menos 20% nesse período.

Os números de casos estão aumentando na maior parte dos Estados Unidos, inclusive em muitos Estados que foram os primeiros a reabrir. Como o número de pessoas hospitalizadas e a porcentagem de pessoas que testaram positivo também estão aumentando em muitos desses locais, o pico de casos não pode ser explicado apenas pelo aumento dos testes.

Em muitos Estados os hospitais estão ficando sem camas. E alguns dos maiores centros urbanos do país – Atlanta, Dallas, Los Angeles, Miami, Phoenix, Jacksonville, Flórida – tiveram um crescimento fora de controle com poucos sinais concretos de progresso. “Deixe a política de lado e use uma máscara”, disse o prefeito de Jacksonville, o republicano Lenny Curry, no Twitter.

À medida que novos casos continuam a aumentar no sudeste e oeste, sinais problemáticos estão surgindo em outras partes do país. O condado que inclui Oklahoma City tem em média duas vezes mais casos do que há duas semanas atrás. Os números de casos começaram a aumentar novamente em Minneapolis após semanas de progresso. E Wisconsin e Ohio estão com mais novas infecções diárias do que em qualquer ponto anterior da pandemia.

No condado de Miami-Dade, o maior da Flórida, seis hospitais atingiram a capacidade com o aumento dos casos de vírus. O aumento de casos levou o prefeito a reverter os planos de reabertura, impondo um toque de recolher e fechando restaurantes para refeições em ambientes fechados.

Governadores de todo o país estão enfrentando uma pressão para exigir o uso de máscara em todo o Estado e montam uma resposta mais coerente à pandemia, à medida que os casos de coronavírus atingem níveis recordes, as mortes diárias aumentam e os hospitais no sul e oeste enfrentam aumento no número de ocupação de leitos.

Um coro crescente de autoridades locais e especialistas em saúde alertou que as infecções podem continuar a sair do controle, a menos que os governadores adotem medidas de saúde pública que se apliquem a todos.

“Estamos implorando por uma resposta uniforme do Estado”, disse o prefeito Chokwe Antar Lumumba, de Jackson, no Missouri, onde os leitos das unidades de terapia intensiva do hospital estavam se aproximando da capacidade máxima.

“É uma grande preocupação para nós aqui em Jackson, não apenas porque somos a cidade mais populosa, mas porque somos a capital dos centros de saúde”, disse Lumumba ao “Good Morning America” da ABC, no sábado. “Outras cidades, à medida que seus números aumentam, vão buscar nossos hospitais”.

A economia dos Estados Unidos está caminhando para um outono tumultuado, com a ameaça de escolas fechadas, novos bloqueios do governo, estádios vazios e uma quantidade incerta de apoio federal a empresas e trabalhadores desempregados, todos com a esperança de uma rápida recuperação da recessão.

Durante meses, a sabedoria predominante entre investidores, funcionários do governo Trump e muitos analistas econômicos foi que, depois de mergulhar em recessão nesta primavera, a economia do país aceleraria no final do verão e decolaria no outono à medida que o vírus recuasse.

Mas o fracasso em suprimir o ressurgimento de infecções confirmadas está ameaçando sufocar a recuperação e empurrar o país de volta para uma espiral recessiva – que poderia causar danos a longo prazo a trabalhadores e empresas, a menos que o Congresso reconsidere a escala da ajuda federal que pode ser necessária nos próximos meses.

A dor econômica iminente ficou evidente na terça-feira, com as grandes empresas prevendo meses sombrios pela frente. A Delta Air Lines disse que estava cortando os planos de adicionar voos em agosto e além, citando a demanda do consumidor. Os maiores bancos do país alertaram que estavam reservando bilhões de dólares para cobrir prejuízos previstos, já que os clientes não pagam suas hipotecas e outros empréstimos nos próximos meses.

Algumas empresas que utilizavam empréstimos para pequenas empresas para reter ou recontratar trabalhadores estão agora começando a demitir funcionários, à medida que esses fundos acabam enquanto a atividade comercial permanece deprimida. A expansão dos benefícios para os trabalhadores desempregados, cuja pesquisa mostra que está sustentando os gastos do consumidor durante a primavera e o início do verão, está prevista para expirar no final de julho, enquanto mais de 18 milhões de americanos continuam reivindicando desemprego.

“Nossa suposição deve ser a de que entraremos em um novo bloqueio no outono”, disse Karl Smith, vice-presidente de política federal da conservadora Tax Foundation, em Washington. (Com agências internacionais).