13 de julho de 2024 Atualizado 00:27

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Presidentes da Rússia e da China participam da cúpula do grupo de segurança regional

Por Agência Estado

04 de julho de 2024, às 10h58

O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente chinês, Xi Jinping, participaram nesta quinta, 4, da cúpula de um grupo de segurança criado por Moscou e Pequim para combater as alianças ocidentais. Os líderes se juntaram a outros países-membros da Organização de Cooperação de Xangai em sua reunião anual em Astana, capital do Casaquistão.

Ao discursar na cúpula, Putin enfatizou o foco do grupo em garantir a segurança de seus membros e disse que a Organização de Cooperação de Xangai formará um centro dedicado que coordenará a resposta a vários desafios de segurança. Ele acrescentou que os membros do grupo também aprovarão um programa especial para combater o separatismo e o extremismo.

Xi conclamou os membros da organização a demonstrarem solidariedade diante dos “desafios reais de intervenção e polarização”, de acordo com a leitura de seu discurso pela agência de notícias oficial Xinhua. “Diante da ameaça real da mentalidade da Guerra Fria, temos que proteger o resultado final da segurança”, acrescentou.

O grupo foi criado em 2001 pela China, Rússia e as quatro nações ex-soviéticas da Ásia Central, Casaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Usbequistão, para promover a segurança regional e a cooperação econômica. Posteriormente, a Índia, o Paquistão e o Irã se juntaram a ela. A vizinha e aliada ocidental da Rússia, Belarus, juntou-se à organização nesta quinta-feira. Os estados observadores e parceiros de diálogo incluem a Turquia, a Arábia Saudita e o Egito.

Também esteve presente o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que está visitando a Ásia Central.

Para Putin, a cúpula ofereceu outro local para demonstrar o fracasso dos esforços ocidentais para isolar a Rússia, após a invasão da Ucrânia em 2022. Também em seu discurso, o presidente russo reiterou que as hostilidades podem terminar se a Ucrânia retirar suas tropas das quatro regiões que Moscou anexou em 2022 e abandonar tentativa de ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Kiev e seus aliados rejeitam a ideia.

Em encontro com Xi Jinping na quarta-feira, Putin afirmou que a Organização de Cooperação de Xangai é “um dos pilares principais de uma ordem global justa e multipolar” e que os laços entre Moscou e Pequim “estão no seu melhor período de toda história”. Fonte: Associated Press.

Publicidade