17 de julho de 2024 Atualizado 21:00

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Pesquisa indica avanço da extrema direita holandesa em parlamento europeu

Por Agência Estado

07 de junho de 2024, às 08h01

As eleições parlamentares da União Europeia começaram nesta quinta-feira, 6, na Holanda, e uma pesquisa eleitoral sugere que o partido de extrema direita de Geert Wilders obteve grandes ganhos e está em uma disputa acirrada com uma aliança de social-democratas para emergir como o maior partido holandês.

Os resultados das pesquisas foram um possível prenúncio de fortes ganhos eleitorais para a extrema direita na União Europeia durante os quatro dias de votação que terminam no domingo. As respostas mostraram também que o sentimento pró-UE, outrora descarado, está agora dividido e em conflito sobre se os Países Baixos precisam de uma UE mais poderosa ou de uma UE em que os Estados-membros recuperem o poder às suas capitais. Divisões semelhantes repercutiram em campanhas da Finlândia a Portugal e da Bélgica à Hungria.

A sondagem final da NOS Ipsos indicou que o Partido para a Liberdade, de Wilders, poderia ganhar sete assentos – agora, o partido ocupa apenas um -; a aliança de centro-esquerda, por sua vez, ganharia oito dos 31 assentos do Parlamento Europeu em disputa nos Países Baixos.

Embora tenha ficado aquém da sua vitória nas eleições nacionais holandesas em Novembro, Wilders ainda estava exultante. “É absolutamente claro que existe apenas um grande vencedor”, disse ele aos repórteres. Wilders quer agora aproveitar essa popularidade e definir o tom para grande parte do bloco, com apelos à redução dos poderes das instituições da UE para que os Estados-membros tenham mais autonomia em questões como a migração e as medidas relativas às alterações climáticas.

Os resultados finais para toda a UE serão anunciados em Bruxelas, após o encerramento das urnas no domingo à noite. Após a eleição, os eurodeputados elegerão o seu presidente na primeira sessão plenária, de 16 a 19 de julho. Depois, muito provavelmente em setembro, nomearão o presidente da Comissão Europeia, na sequência de uma proposta feita pelos Estados-membros.

Publicidade