02 de março de 2021 Atualizado 19:28

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Número de vacinados nos EUA é maior que de contaminados, afirma ‘Bloomberg’

Por Agência Estado

02 fev 2021 às 10:35 • Última atualização 03 fev 2021 às 08:56

O ritmo de vacinação contra covid-19 nos Estados Unidos é mais rápido do que em qualquer país no mundo, segundo informa a Bloomberg. Com base em levantamento próprio, o Bloomberg Vaccine Tracker, o site informa que na tarde desta segunda-feira (1º), 26,5 milhões de americanos haviam recebido uma ou ambas as doses das vacinas atuais. De acordo com os números, mais americanos foram vacinados no país do que testaram positivo para covid-19 desde o início da pandemia, que segundo a universidade americana Johns Hopkins, são 26.322.212 pessoas.

Enquanto isso, no Japão, o governo estendeu o estado de emergência que cobre Tóquio e outras regiões por um mês até 7 de março, segundo informa o jornal Kyodo News, já que os hospitais continuam sob pressão. Yasutoshi Nishimura, o ministro responsável pela resposta do governo à pandemia, disse que o estado de emergência pode ser suspenso antes de 7 de março nas prefeituras onde a situação melhorar significativamente.

Nas últimas 24 horas no Japão, foram identificadas 2.108 novos casos de covid-19 e 72 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o total de casos no país é de 391.626 contaminações e 5.794 mortes.

Áustria

Na contramão, a Áustria pretende relaxar o bloqueio na próxima semana, apesar de estar “longe do cenário ideal”, conforme informa a CNN. O relaxamento das medidas começará a partir de 8 de fevereiro, anunciou o chanceler Sebastian Kurz, com escolas, museus e lojas programados para reabrir. A flexibilização das restrições está sendo realizada embora “estejamos muito distantes de nosso cenário ideal de uma média de 50 novos casos em sete dias”, disse Kurz em entrevista coletiva. O país registra, até hoje, 410.985 casos registrados de covid-19, e 7.653 mortes, segundo levantamento da OMS.

Publicidade