22 de janeiro de 2021 Atualizado 09:52

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Mundo

Lockdown foi a única alternativa possível, diz primeiro-ministro do Reino Unido

Por Agência Estado

05 jan 2021 às 17:12 • Última atualização 05 jan 2021 às 19:46

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, argumentou nesta terça-feira que a imposição do nível mais severo de restrições à circulação de pessoas, anunciada na segunda-feira, foi a única alternativa possível para conter a rápida disseminação do coronavírus no país. “Mais de 1 milhão de pessoas contraíram covid-19, cerca de 2% da população”, afirmou, em entrevista coletiva.

Segundo o governo britânico, nas últimas duas semanas de dezembro, a taxa de transmissão da doença saltou 70%.

O premiê revelou que cerca de 1,3 milhão de pessoas já foram vacinadas e garantiu que, em até três semanas, quase 25% dos idosos acima de 80 anos já estarão imunizados. Ele acrescentou que é uma “absoluta prioridade” manter escolas abertas, mas disse que a gravidade da crise forçou a transição para o ensino remoto.

Johnson também ressaltou que trabalha com “prospectos” de que as medidas restritivas comecem a ser relaxadas a partir de meados de fevereiro, embora tenha reconhecido que isso vai depender de uma conjunção de fatores, o que inclui a redução no número de diagnósticos da covid-19.

O médico chefe do governo, Chris Whitty, comentou a nova variante do coronavírus originada na África do Sul e identificada recentemente no país insular europeu. Segundo ele, há o risco de que as vacinas atualmente disponíveis não sejam eficazes contra essa mutação. “Mas nada sugere que esse seja o caso até agora”, ponderou.

Nesta terça pela manhã, o Tesouro britânico anunciou um pacote fiscal de 4,6 bilhões de libras esterlinas, com objetivo de atenuar os efeitos econômicos da nova fase da pandemia. Serão destinados 9 mil libras a empresas de varejo, hotelaria e lazer, para os quais a cobrança de impostos ficará temporariamente suspensa. Outros 1,694 bilhão de libras esterlinas serão direcionados a negócios de outros setores e a autoridades locais.

Publicidade