Juiz confisca 33 obras de arte da casa de Cristina Kirchner

A decisão, conduzida por agentes da Polícia Federal argentina na quinta, faz parte de uma investigação sobre casos de corrupção com obras públicas


O juiz argentino Claudio Bonadio mandou retirar 33 obras de arte do apartamento da ex-presidente e atual senadora, Cristina Kirchner, em Buenos Aires. A decisão, conduzida por agentes da Polícia Federal argentina na noite de quinta-feira, 27, faz parte de uma investigação sobre casos de corrupção com obras públicas no governo argentino.

Segundo a imprensa argentina, as obras de arte têm valor estimado de US$ 4 milhões e foram entregues por um assistente de Cristina, que estava ausente no momento da retirada. Ainda não há detalhes sobre as obras confiscadas pela Justiça.

Foto: Valter Campanato / ABr
Cristina Kirchner teve 33 obras de arte confiscadas em sua residência

A ex-presidente se referiu ironicamente ao tema nas redes sociais ao publicar imagem da capa desta sexta-feira, 28, do jornal argentino Clarín. O diário trouxe como manchete a decisão do governo de Mauricio Macri de elevar tarifas sobre serviços públicos, como transporte, gás e eletricidade, com aumentos variando de 38% a 55% em Buenos Aires para o ano de 2019.

“O Clarín põe na capa os aumentos de tudo e uma foto das ’33 obras de arte de Cristina’ para que vocês acreditem que em minha casa havia um museu e fiquem indignados por isso e não pelas novas tarifas sobre a luz, gás e transporte”, escreveu Cristina.

Investigação

Em agosto, o juiz Bonadio ordenou a realização de buscas no apartamento da ex-presidente no bairro de Recoleta, assim como outras casas que Cristina tem no sul da Argentina, seu lugar de residência habitual. Na ocasião, no entanto, nenhum objeto foi retirado.

Como Cristina tem foro privilegiado, as buscas foram autorizadas por unanimidade (incluindo com o voto de Cristina, atual senadora) no Senado, que, em troca, rechaçou pedido de prisão preventiva apresentado pelo juiz.

Claudio Bonadio é o juiz responsável pelo caso “cadernos da corrupção”, que investiga a atuação pública da ex-presidente de 2003 a 2015.

Cristina, agora com 65 anos, tem, junto com Macri, a maior intenção de voto nas pesquisas sobre as eleições presidenciais de outubro de 2019. No entanto, ela não lançou sua candidatura e propõe uma fórmula de consenso com as diferentes correntes peronistas. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora