20 de julho de 2024 Atualizado 18:17

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Japão: embaixador dos EUA lamenta supostos crimes sexuais cometidos por militares em Okinawa

Por Agência Estado

07 de julho de 2024, às 12h43

O embaixador dos Estados Unidos no Japão, Rahm Emanuel, lamentou no sábado, 6, os dois casos de agressões sexuais supostamente cometidas por militares americanos em Okinawa, que mais uma vez alimentaram o ressentimento pela forte presença de tropas dos EUA na ilha estratégica no sudoeste japonês.

A questão emergiu no final do mês passado, provocando alvoroço devido a relatos de que dois militares americanos haviam sido acusados de agressões sexuais meses antes.

Ambos os casos foram relatados pela primeira vez na mídia local no final de junho. Em uma detenção realizada em março, um membro da Força Aérea dos EUA foi acusado de sequestro e agressão sexual de uma adolescente e, em maio, um fuzileiro naval dos EUA foi preso sob a acusação de tentativa de estupro. Mais detalhes sobre as supostas vítimas não foram divulgados.

A polícia de Okinawa disse que não anunciou os casos por questões de privacidade relacionadas às vítimas. O Ministério das Relações Exteriores, por decisão policial, também não notificou as autoridades da província de Okinawa.

Os casos lembram a muitos habitantes de Okinawa o estupro, em 1995, de uma menina de 12 anos por três militares dos EUA, que gerou protestos massivos contra a presença do país na ilha. Isso levou a um acordo em 1996 entre Tóquio e Washington para fechar uma importante base aérea dos EUA, embora o plano tenha sido repetidamente adiado devido a protestos no local designado para a sua substituição em outra parte da ilha.

“Temos de fazer melhor”

Emanuel disse que lamenta profundamente o que aconteceu aos indivíduos, às suas famílias e à sua comunidade, mas não pediu desculpa. “Obviamente, você tem que deixar o processo de justiça criminal acontecer. Mas isso não significa que você não expresse em nível humano seu sentimento de arrependimento.”

“Temos de fazer melhor”, disse ele, acrescentando que os elevados padrões e protocolos militares dos EUA para a educação e treino das suas tropas “simplesmente não estavam funcionando”.

Emanuel disse que os EUA podem propor medidas para melhorar o treinamento e a transparência com o público nas negociações de segurança dos ministros das Relações Exteriores e da Defesa dos EUA e do Japão, esperadas para o final deste mês em Tóquio.

Na sexta-feira, 5, o secretário-chefe de gabinete, Yoshimasa Hayashi, disse que as autoridades japonesas fariam todo o possível para fornecer divulgações mais rápidas de supostos crimes relacionados a militares dos EUA em Okinawa, protegendo ao mesmo tempo a privacidade das vítimas.

Os casos podem constituir um revés para a relação de defesa em um momento em que Okinawa é vista como cada vez mais importante face às crescentes tensões com a China.

Cerca de 50 mil soldados dos EUA estão destacados no Japão sob um pacto de segurança bilateral, cerca de metade deles em Okinawa, onde os moradores há muito se queixam da forte presença de tropas dos EUA e acidentes, crimes e ruídos relacionados a isso.

Emanuel comentou o assunto durante visita a Fukushima, na costa nordeste do Japão.

Mais cedo no sábado, o embaixador visitou a cidade vizinha de Minamisoma para se juntar a surfistas e provar linguado pescado localmente no almoço, com o objetivo de destacar a segurança da água do mar e dos frutos do mar da região em meio às descargas contínuas de água radioativa tratada e diluída da usina nuclear de Daiichi, em Fukushima, arruinada pelo tsunami. A China proibiu os frutos do mar japoneses devido às descargas, uma medida que Emanuel criticou como injustificada.

Publicidade