Iraque decide em votação no Parlamento se expulsa tropas americanas


Milícias apoiadas pelo Irã no Iraque exigiram que os parlamentares iraquianos participassem de uma sessão do parlamento neste domingo para votar a possível expulsão de tropas dos Estados Unidos do país, depois que a morte de um general iraniano colocou o país no centro de um conflito crescente entre seus dois aliados mais importantes, os EUA e o Irã. Atualmente há cerca de 5 mil soldados americanos em território iraquiano.

Dentro da sala do parlamento no domingo, os parlamentares gritaram: “América fora! Bagdá permanece livre!”

A votação representa um teste crucial para a presença de tropas americanas que têm sido fundamental na derrota do Estado Islâmico, mesmo quando poderosas facções apoiadas pelo Irã passaram a dominar o governo iraquiano.

Uma dessas milícias, o Kataib Hezbollah, ameaçou os legisladores que não compareceram à sessão ou votaram a favor de uma lei para despejar as forças americanas, chamando-os de “traidores”.

Uma importante autoridade do departamento de estado no início desta semana disse que os EUA estavam trabalhando com seus aliados iraquianos para impedir a votação, caracterizando o assassinato do general Qassim Suleimani como apoio à soberania do Iraque contra o Irã.

O ataque dos EUA em Bagdá que matou o major-general Qassim Suleimani, e um dos principais líderes paramilitares do Iraque, levantou a possibilidade de confronto direto entre os EUA e o Irã. Com seus dois principais aliados cada vez mais em desacordo, o governo iraquiano enfrenta a perspectiva de decidir se continua sendo parceiro do Ocidente ou acaba firmemente no campo iraniano.

O ataque dos EUA também colocou em dúvida a durabilidade da campanha liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico em um momento em que os militantes estão tentando se reagrupar no Iraque e na Síria depois de serem derrotados militarmente.

O Irã prometeu retaliar a morte do general Suleimani, aumentando o medo de conflitos mais amplos em toda a região, onde o comandante morto da ala estrangeira do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica cultivou uma rede de procuradores que poderiam ser ativados para atacar os interesses dos EUA.

“Dias e noites difíceis os aguardam”, disse Yahya Rahim-Safavi, ex-comandante da Guarda Revolucionária e conselheiro do líder supremo aiatolá Ali Khamenei, em um discurso citado pela televisão estatal. “Os americanos devem deixar a Ásia Ocidental o Oriente Médio em desgraça e derrota”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora