16 de julho de 2024 Atualizado 09:33

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Irã elege reformista que quer retomar laços com Ocidente

Por Agência Estado

07 de julho de 2024, às 11h02

O candidato reformista Masoud Pezeshkian venceu o segundo turno das eleições presidenciais do Irã ontem com 16,3 milhões de votos, contra 13,5 milhões do ultraconservador Saeed Jalili. O presidente eleito terá um mandato de quatro anos e prometeu um novo capítulo nas relações com o Ocidente, além de defender a flexibilização da lei do véu obrigatório no país, tema sensível após a morte da jovem Masha Amini em 2022.

“Estendo a minha mão a todos os iranianos”, declarou na rede social X (antigo Twitter). “O caminho a seguir é difícil. Só será fácil com a sua cooperação, empatia e confiança. Estendo a minha mão a vocês”, completou.

Esta foi uma eleição especial realizada após a morte do presidente anterior, Ebrahim Raisi, em um acidente de helicóptero em maio.

A votação foi estendida até meia-noite do horário local (7h de Brasília) para incentivar o aumento da participação eleitoral, que foi de 49,8%, segundo porta-voz eleitoral. O número é cerca de 10 pontos porcentuais maior do que no primeiro turno, cujo comparecimento foi historicamente baixo por causa de boicotes.

Mas a perspectiva de uma administração linha-dura que poderia enrijecer ainda mais as regras sociais já duras aparentemente estimulou os iranianos a comparecerem.

Pezeshkian é um médico de 69 anos, de origem azeri, que afirma a sua lealdade à república islâmica, mas defende uma aproximação entre o Irã e os países ocidentais, com os EUA na liderança, para levantar as sanções que pesam sobre a economia do país.

SEM MUDANÇAS RADICAIS

Sua vitória ocorre em um momento crítico, após anos de sanções e protestos que pressionaram a república islâmica. Pezeshkian, que não prometeu mudanças radicais na teocracia xiita iraniana durante sua campanha, sempre reconheceu o líder supremo aiatolá Ali Khamenei como a autoridade máxima em todos os assuntos de Estado.

Suas promessas moderadas enfrentam desafios significativos frente a guerra em andamento entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza. Além disso, há preocupações ocidentais sobre o programa nuclear iraniano e uma iminente eleição nos EUA que pode ameaçar qualquer tentativa de distensão entre Teerã e Washington. Os dois candidatos já consideravam na campanha Donald Trump como provável vencedor da disputa americana.

“Um presidente com mentalidade reformista, apesar de todas as limitações e falhas do passado, ainda é significativamente melhor. De alguma forma significativa, isso colocaria alguma restrição ao autoritarismo da República Islâmica”, afirmou Nader Hashemi, professor de estudos do Oriente Médio na Universidade George Washington. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade