20 de julho de 2024 Atualizado 18:17

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Coreia do Norte diz ter colocado satélite espião em órbita após 3ª tentativa

Por Agência Estado

21 de novembro de 2023, às 15h50 • Última atualização em 21 de novembro de 2023, às 16h02

A Coreia do Norte realizou nesta terça-feira, 21, uma terceira tentativa de colocar um satélite militar espião em órbita. O país disse ter obtido êxito no lançamento. A nova investida demonstra a determinação norte-coreana de construir um sistema de vigilância baseado no espaço em meio a tensões prolongadas com os Estados Unidos.

A afirmação da Coreia do Norte sobre o lançamento ter sido bem sucedido não pôde ser imediatamente confirmada de forma independente. Mas é certo que o movimento suscitará reações dos Estados Unidos e de seus aliados, já que a ONU proíbe a Coreia do Norte de conduzir lançamentos de satélites, descrevendo-as como coberturas para testes de tecnologia de mísseis.

As autoridades norte-coreanas afirmaram em comunicado que o seu veículo de lançamento espacial colocou o satélite Malligyong-1 em órbita na noite de terça-feira, após a descolagem do principal centro de lançamento do país. O comunicado disse que o líder Kim Jong-un observou o lançamento e que o satélite espião disparado aumentaria a prontidão da Coreia do Norte para a guerra em resposta aos movimentos militares hostis de seus rivais e que mais seriam lançados em breve.

A Coreia do Sul disse anteriormente que detectou o lançamento do que a Coreia do Norte descreveu como um satélite espião militar do principal centro espacial do Norte, na noite de terça-feira. O Japão disse que também detectou um lançamento norte-coreano.

O gabinete do primeiro-ministro japonês chegou a emitir brevemente um alerta de míssil J-Alert para Okinawa, orientando os residentes a se abrigarem dentro de edifícios ou no subsolo. Os militares da Coreia do Sul disseram que mantêm a sua prontidão em estreita coordenação com os Estados Unidos e o Japão.

“Mesmo que a Coreia do Norte chame de satélite, o disparo que utiliza tecnologia de mísseis balísticos é uma clara violação das resoluções relacionadas do Conselho de Segurança das Nações Unidas”, disse o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida. “É também uma ameaça grave que afeta a segurança das pessoas.”

Um satélite espião está entre os principais meios militares cobiçados pelo líder norte-coreano Kim Jong Un, que quer modernizar seus sistemas de armamentos para lidar com o que chama de crescentes ameaças dos EUA. A Coreia do Norte tentou lançar um satélite espião duas vezes este ano, mas ambas as tentativas acabaram enfrentando falhas técnicas.

Coreia do Sul menciona apoio russo

O país tinha prometido uma terceira tentativa em outubro, mas não deu sequência aos planos sem dar mais esclarecimentos. Autoridades sul-coreanas disseram que o atraso ocorreu porque a Coreia do Norte estava recebendo assistência tecnológica da Rússia para o seu programa de satélites espiões.

Coreia do Norte e Rússia têm pressionado para expandir suas relações nos últimos meses. Em setembro, Kim viajou para a Rússia para encontrar Vladimir Putin e visitar locais militares importantes, levantando especulações sobre um acordo de armamentos entre as duas nações.

O suposto acordo envolve o fornecimento de armas convencionais pela Coreia do Norte para reabastecer o estoque de munições da Rússia esgotado na guerra na Ucrânia. Em troca, governos e especialistas estrangeiros dizem que a Coreia do Norte procura ajuda russa para melhorar os seus programas nucleares e outros programas militares. Durante a visita de Kim à Rússia, Putin disse à imprensa estatal que o seu país ajudaria a Coreia do Norte a construir satélites, dizendo que Kim “demonstra grande interesse na tecnologia de foguetes”.

A Rússia e a Coreia do Norte rejeitaram as acusações externas sobre o seu alegado acordo de transferência de armas como infundadas. Tal acordo violaria as proibições da ONU sobre qualquer comércio de armas envolvendo a Coreia do Norte.

Misseis balísticos

Kim disse anteriormente que a Coreia do Norte precisa de satélites espiões para melhorar seu monitoramento sobre atividades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos e para monitorar melhor as atividades sul-coreanas e norte-americanas e melhorar o uso eficaz dos seus mísseis nucleares. Mas a Coreia do Sul afirmou que um programa de lançamento de espiões norte-coreano também envolve esforços para fabricar mísseis balísticos intercontinentais mais poderosos.

“Se a Coreia do Norte conseguir lançar o satélite de reconhecimento militar, isso significaria que as capacidades de misseis balísticos intercontinentais da Coreia do Norte foram levadas a um nível mais elevado”, disse o presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, na semana passada. “Portanto, teremos que apresentar contramedidas reforçadas.”

Desde o início de 2022, a Coreia do Norte realizou cerca de 100 testes de mísseis em uma tentativa de estabelecer um arsenal de armamento nuclear confiável visando os Estados Unidos e seus aliados. Muitos especialistas estrangeiros disseram que possuir um foguete capaz de colocar um satélite em órbita significaria que a Coreia do Norte poderia construir um míssil capaz de transportar uma ogiva com um tamanho semelhante ao do satélite.

Duas tentativas fracassadas

A guarda costeira do Japão disse mais cedo na terça-feira que a Coreia do Norte tinha notificado Tóquio de seu plano de lançar o satélite em algum momento entre quarta-feira, 22, e o dia 30 de novembro. Os Estados Unidos, a Coreia do Norte e o Japão, em sequência, pediram que a Coreia do Norte cancelassem o lançamento.

Esses países já haviam condenado os dois lançamentos de satélites anteriores da Coreia do Norte como violações das resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Mas a Rússia e a China, membros permanentes do conselho, impediram qualquer resposta do Conselho de Segurança.

Nas duas tentativas anteriores, em maio e agosto, a Coreia do Norte a utilizou o seu novo foguete Chollima-1 para transportar o satélite de reconhecimento Malligyong-1.

Na primeira tentativa, o foguete que transportava o satélite caiu no oceano logo após a decolagem. As autoridades norte-coreanas disseram que o foguete perdeu impulso após a separação do primeiro e do segundo estágio. Após a falha no segundo lançamento, a Coreia do Norte disse que houve um erro no sistema de detonação de emergência durante o voo da terceira fase.

A Coreia do Sul recuperou destroços do primeiro lançamento e considerou o satélite muito bruto para realizar reconhecimento militar.

Alguns especialistas civis disseram que o satélite Malligyong-1 da Coreia do Norte provavelmente só é capaz de detectar alvos grandes, como navios de guerra ou aviões. Mas, ao operar vários desses satélites, a Coreia do Norte ainda poderia observar a Coreia do Sul em todos os momentos, disseram.

Além dos satélites espiões, Kim está ansioso por introduzir outras armas de alta tecnologia, como mais ICBMs móveis, submarinos com propulsão nuclear, armas hipersónicas e mísseis com múltiplas ogivas. Observadores dizem que Kim acabaria por querer usar um arsenal de armas ampliado para obter maiores concessões dos EUA, como o alívio de sanções, quando a diplomacia for retomada.

Em resposta, os EUA e a Coreia do Sul têm expandido os seus exercícios militares regulares que por vezes incluíam ativos estratégicos dos EUA, tais como bombardeiros de longo alcance, um submarino com armas nucleares e porta-aviões. Na terça-feira, o porta-aviões USS Carl Vinson e o seu grupo de batalha chegaram a um porto sul-coreano numa nova demonstração de força contra a Coreia do Norte.

Publicidade