05 de março de 2021 Atualizado 22:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Conta de Trump no Facebook seguirá bloqueada por tempo indefinido, diz Zuckerberg

Anúncio ocorre no dia seguinte à invasão do Congresso americano por apoiadores de Trump, que protestavam contra uma suposta fraude nas eleições

Por Agência Estado

07 jan 2021 às 13:36 • Última atualização 07 jan 2021 às 14:03

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou em postagem na plataforma, nesta quinta-feira, que a conta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seguirá bloqueada por “tempo indefinido”, em decisão que se estende ao perfil do republicano no Instagram. De acordo com o executivo, o bloqueio se estenderá ao menos por duas semanas, até o fim do processo de transição do atual governo para o do presidente eleito, Joe Biden.

O anúncio ocorre no dia seguinte à invasão do Congresso americano por apoiadores de Trump, que protestavam contra uma suposta fraude nas eleições presidenciais de 2020, a qual Trump denuncia desde o fim do pleito. Em confronto com policiais que faziam a proteção do local, uma mulher foi morta após ser baleada. O episódio ainda deixou mais três vítimas fatais, segundo reportou a imprensa americana.

“Acreditamos que os riscos de permitir que o presidente continue a usar nossos serviços durante este período são simplesmente grandes demais”, publicou Zuckerberg em seu perfil pessoal no Facebook.

The shocking events of the last 24 hours clearly demonstrate that President Donald Trump intends to use his remaining…

Publicado por Mark Zuckerberg em Quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

A plataforma – assim como outras redes sociais, como o Twitter – tem sido questionada por, supostamente, tomar medidas mais duras contra as postagens sobre fraude eleitoral de Trump tardiamente.

Em resposta a essas críticas, Zuckerberg afirmou que o Facebook mantinha o direito de postagem do presidente “por acreditar que o público deve ter acesso ao mais amplo discurso político possível, mesmo os considerados controversos”.

Publicidade