24 de julho de 2024 Atualizado 20:58

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Commerzbank: formação de novo governo na França será difícil

Por Agência Estado

08 de julho de 2024, às 09h14

Como nenhuma aliança conquistou maioria na eleição ao parlamento francês neste domingo, 7, a formação de um governo provavelmente será difícil, avalia o Commerzbank em relatório. Uma liderança de esquerda conseguirá implementar apenas algumas de suas promessas, mas, ainda assim, é esperado que o já elevado déficit do país aumente.

A coalizão Nova Frente Popular, formada há apenas algumas semanas, ganhou 182 dos 577 assentos, enquanto a frente de centro liderada por Emanuel Macron se saiu melhor do que o esperado e ainda tem 168 cadeiras. O Reunião Nacional (RN), de extrema direita, ficou com 143 vagas. “A razão para o resultado surpreendente é o comportamento tático dos partidos de esquerda e centro. Eles queriam evitar a qualquer custo a vitória do RN e, portanto, retiraram seus candidatos menos promissores para aumentar as chances de o candidato remanescente ser eleito”, aponta o texto.

Com 59,7%, a participação dos eleitores foi significativamente maior do que em 2022 (38,1%), o que provavelmente prejudicou o RN, avaliam os analistas do Commerzbank. “Embora o RN tenha ficado bem aquém de seu objetivo eleitoral de uma maioria absoluta, aumentou significativamente seu número de assentos no parlamento (2022: 89 assentos).”

Como nenhum bloco chega perto de alcançar a maioria (289 assentos), a estabilidade da Nova Frente Popular é questionável. O primeiro-ministro indicado pelos partidos dependerá “da tolerância do campo de Macron e talvez até dos Republicanos (LR), que poderiam derrubá-lo a qualquer momento junto com o RN em uma moção de desconfiança.” Este é um dispositivo da constituição francesa que permite o parlamento questionar o ocupante do cargo.

O líder do partido França Insubmissa (LFI), Jean-Luc Mélenchon, é crítico à União Europeia (UE). Do outro lado do espectro político, o mesmo se aplica ao RN. “Isso provavelmente tornará a cooperação dentro da UE mais difícil”, aponta o Commerzbank.

Publicidade