15 de agosto de 2020 Atualizado 10:49

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Mundo

Canadá envia alerta de incidente nuclear ‘por engano’

Por Agência Estado

12 jan 2020 às 21:48 • Última atualização 13 jan 2020 às 11:28

O governo do Canadá enviou por engano neste domingo, 12, um alerta relatando um incidente nuclear ‘não especificado’. A mensagem de emergência foi enviada aos celulares de pessoas em todo o país.

A mensagem afirmava que o incidente teria ocorrido na estação de geração nuclear Pickering. O alerta foi emitido pelo governo da província. De acordo com a mensagem, não havia liberação anormal de radioatividade e as pessoas não precisavam tomar medidas de proteção.

Mais de uma hora depois, a Ontario Power Generation enviou uma nova mensagem dizendo que o alerta “foi enviado por engano. Não há perigo para o público ou meio ambiente. Nenhuma outra ação é necessária”. A mensagem também foi veiculada em canais de televisão.

O prefeito de Pickering, Dave Ryan, disse que exige uma investigação completa sobre o erro. “Como muitos de vocês, fiquei muito preocupado por ter recebido esse alerta de emergência esta manhã. Enquanto estou aliviado por não haver emergência real, estou chateado que um erro como este ocorreu. Eu falei com a Província, e estou exigindo uma investigação completa”, disse pelo Twitter.

O prefeito de Toronto, John Tory, tuitou afirmando que “existem muitas perguntas não respondidas”.

A unidade de Pickering, inaugurada em 1971, estava programada para ser desativada neste ano, mas o governo da província se comprometeu a mantê-la aberta até 2024. O encerramento das atividades está agora definido para começar em 2028.

Pickering gera 14% da eletricidade de Ontário e é responsável por 4,5 mil empregos em toda a região, de acordo com a Ontario Power. A unidade já sofreu incidentes anteriores. Em 2011, uma falha em uma bomba causou o derramamento de mais de 73 mil litros de resíduos desmineralizados no lago Ontário, embora sem riscos significativos para a saúde pública, de acordo com as autoridades locais. / AP