Bolsonaro diz ‘não ter dúvida’ de que nazismo é de esquerda

Publicação de um vídeo da visita de Bolsonaro ao museu inflamou a discussão entre críticos e apoiadores do governo


Foto: Alan Santos - PR
Inicialmente, a visita de Bolsonaro ao centro de memória também movimentou o Twitter

Depois de visitar nesta terça-feira, 2, o Yad Vashem, o Centro de Memória do Holocausto, em Jerusalém, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou “não ter dúvidas” de que o nazismo foi um movimento de esquerda. A polêmica declaração foi feita em entrevista coletiva ao final de sua agenda oficial.

A afirmação do presidente, no entanto, vai de encontro ao próprio museu visitado por ele, que diz em seu site que o Partido Nazista da Alemanha era um entre vários “grupos radicais de direita”.

Inicialmente, a visita de Bolsonaro ao centro de memória também movimentou o Twitter, não pela visita em si, mas pela publicação recente do chanceler Ernesto Araújo de que o nazismo “foi um movimento de esquerda”, agora ecoada pelo presidente.

A publicação de um vídeo da visita de Bolsonaro ao museu inflamou a discussão entre críticos e apoiadores do governo, bem como a discussão sobre o nazismo estar à esquerda ou à direita no espectro político. A movimentação tornou Holocausto uma das expressões mais citadas no Twitter do Brasil.

Historiador
Para o jornalista do jornal O Estado de S. Paulo e historiador Marcos Guterman, o nazismo não pode ser qualificado como de esquerda em nenhuma circunstância. Em geral, quem usa esse discurso se vale do nome da legenda nazista: Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães. Há grupos na internet que costumam reproduzir essa ideia.

“Mas é outro contexto. Não tem nada a ver com o socialismo marxista. Tem a ver com o sentido da totalidade da sociedade alemã”, afirmou ele.

Para Guterman, se trataria de uma argumentação insustentável cujo único objetivo seria o de mobilizar a militância. “Ele está respondendo a um pensamento do eleitor.” Em entrevista à Deustche Welle no ano passado, o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, chegou a afirmar que essa discussão “não tinha base honesta”.

O professor alemão Oliver Stuenkel, da área de relações internacionais da FGV-SP, diz que a afirmação faria parte do “submundo das conspirações”. Para Stuenkel, a fala de Araújo traz constrangimento, mas há o entendimento de que ela não representa a totalidade do governo.

Procurada na noite desta quinta-feira pela reportagem, a assessoria do ministro não havia se pronunciado até a conclusão desta matéria.

‘Distorções’
“Vivemos um momento preocupante de distorções de fatos históricos consagrados, que mostram que o nazismo era um regime de extrema direita. Há desprezo pelo contexto histórico; um esquecimento voluntário, além de manipulação”, disse a historiadora da USP Maria Luiza Tucci Carneiro.

“O que importa aqui não é fazer história, mas fazer política no presente, desconsiderando o passado e os fatos. Os nazistas apontavam os comunistas como ‘inimigos objetivos’. Uma das primeiras medidas de Hitler no poder foi pôr na ilegalidade o Partido Comunista. Começa, então, uma fuga de intelectuais e cientistas. O passado deve ser revisitado, não deturpado”, concluiu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!