19 de setembro de 2020 Atualizado 15:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Mundo

Bolsonaro diz estar ‘analisando a lista de convidados’ para posse na Argentina

Por Agência Estado

09 dez 2019 às 09:47 • Última atualização 09 dez 2019 às 10:32

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 9, que está analisando a “lista de convidados” para a cerimônia de posse do novo presidente argentino Alberto Fernández. Ele fez a afirmação para justificar a desistência de enviar nome do primeiro escalão do governo brasileiro à cerimônia no país vizinho e parceiro comercial.

“Primeiro, quando eu assumi aqui, não convidei algumas autoridades também”, disse Bolsonaro na manhã desta segunda. Entre os convidados para a posse de Fernández como presidente da Argentina, marcada para terça-feira, 10, está o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel.

O Brasil não envia um representante à posse argentina desde 2003. “O nosso comércio com a Argentina continua sendo da mesma forma. Sem problema nenhum. Não vai interferir em nada”, disse Bolsonaro.

Para a posse de Bolsonaro, em 1º de janeiro de 2019, não foram convidados os presidentes de Cuba e da Venezuela, Nicolás Maduro.

As declarações do presidente foram feitas em frente ao Palácio da Alvorada. Questionado se poderia recuar e enviar um representante do primeiro escalão, Bolsonaro se irritou e deixou a conversa com os jornalistas.

Segundo o Palácio do Planalto, representará o Brasil na posse, por enquanto, apenas o embaixador em Buenos Aires, Sérgio Danese. No começo de novembro, o Palácio do Planalto informou que o ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), representaria o Brasil na posse de Fernández.

A Argentina elegeu em 27 de outubro para a Casa Rosada o peronista Fernández. A vice-presidente será Cristina Kirchner. Aliado de Bolsonaro, Macri foi derrotado no primeiro turno.

O presidente brasileiro já havia lamentado o resultado e dito que não cumprimentaria a chapa vencedora. Bolsonaro também ficou incomodado com uma imagem publicada por Fernández, horas antes do resultado, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde o ano passado, no âmbito da Operação Lava Jato.

Publicidade