Sem dinheiro para o Dia das Crianças? Veja como conversar com seu filho

Educação financeira ajuda a festejar a data sem dívidas: a partir dos dois anos de idade a criança já começa a entender o significado do dinheiro


Mais uma prova de fogo para o bolso dos pais em outubro, porque sexta-feira, dia 12, se comemora o dia das crianças. Uma data que, quer queira quer não, acaba gerando nos pequenos a expectativa de ganhar presentes. E não é nada fácil, diante das dificuldades financeiras, a tarefa de simplesmente recusar os pedidos e frustrar os filhos.

Diante de uma situação dessas se percebe a importância da iniciação da criança, o quanto antes, nos conceitos financeiros. A providência tende a tornar mais natural a explicação de porque não haverá o presente ou, então, porque não haverá o presente pretendido. Mais ainda, cria-se a oportunidade de mostrar à garotada que, quando o dinheiro está curto e não há recursos suficientes, é possível poupar para conseguir comprar depois algo desejado, ou o que se pode fazer dentro do orçamento disponível, ou ainda apresentando opções de lazer mais baratas para festejar a data.

Foto: Divulgação
Com cinco anos, as crianças já sabem a diferença entre os números

Segundo especialistas da associação de consumidores, a Proteste, a partir dos 2 anos é possível oferecer noções de valor de compra, por meio de brinquedos disponíveis no mercado que incluem caixas registradoras, pequenas cédulas ou minissupermercados.

Com cinco anos, as crianças já sabem a diferença entre os números, possibilitando a apresentação a notas e moedas. É o momento de estabelecer uma pequena cota de gastos por semana para ajudá-las a ter consciência sobre orçamento, com meta de gastos e economia. Lembrando que o exemplo dado pelos pais é observado o tempo todo pelos menores.

Aos sete anos, as crianças já realizam contas básicas e podem ajudar a fazer, por exemplo, a lista de compras antes de ir ao supermercado, aprendendo mais sobre consumo consciente. Ao seguir a lista da maneira planejada, elas entendem que comprar desnecessariamente pode prejudicar as finanças. Essa idade é a recomendada também para iniciar a prática da mesada. Mas dar dinheiro não é suficiente. Incentivar a poupar e não gastar toda a quantia nos primeiros dias é outra noção útil para a sua vida financeira para sempre.

Com 10 anos, a criança está preparada para absorver mais conceitos sobre o fluxo financeiro de forma simples, com conta de gastos e saldo. Guardar dinheiro para uma meta a ser alcançada, ter uma cota de gastos semanais são aprendizados se aplicados nesta fase.

Cuidados nas compras

Segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e Serviço de Proteção ao Crédito, 72% dos entrevistados afirmaram que vão comprar algo para presentear filhos, sobrinhos, netos ou afilhados neste Dia das Crianças. Cada consumidor, em média, deve gastar R$ 187,00.

O estudo mostra que os consumidores estão mais conscientes e cuidadosos com os gastos, porque 80%, dos que vão às compras, pretendem pesquisar preços, o que favorece encontrar o produto desejado pelo melhor preço e melhor condição. E 66% afirmaram que esperam pagar os produtos à vista, o que permite negociar descontos.

Mas há dados preocupantes na mesma pesquisa: 69% dos que irão às compras estão inadimplentes e com o nome sujo na praça; 28% possuem uma conta em atraso; 23% admitiram ter ficado com o nome negativado devido aos gastos do Dia das Crianças no ano passado, sendo que 16% ainda se encontram nessa situação.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!