Comprar o lote e construir pode ficar 40 % mais barato

Com a crise econômica ainda em alta, população tem optado por financiar lote e administrar a obra da casa, mas é necessário experiência e cuidados


Com a crise econômica ainda em alta no Brasil, a população tem optado por financiar o lote e administrar a obra da casa própria, com uma economia entre 30% e 40% se comparada ao valor de um imóvel pronto. Um custo considerável.

Mas para quem não tem afinidade com o canteiro de obras, outra opção é buscar a ajuda de pequenas construtoras, responsáveis, na atualidade, por movimentar o mercado da construção civil, correspondendo a cerca de 50% dos clientes das loteadoras, segundo estimativa feita pelo departamento de desenvolvimento urbano da ITV Urbanismo, sediada em Uberlândia (MG) e São Paulo (SP).

Foto: Adobe Stock
A pessoa que compra o lote vai ter a casa que sempre quis; uma forma de economizar é fazer por etapas e se mudar, economizando com isso aluguel

A primeira dica de quem se aventurou em um canteiro de obras por conta própria, de profissionais da área que administram o trabalho dos pedreiros, como arquitetos e engenheiros, e dos próprios construtores e loteadores, é não ter pressa, principalmente na fase de planejamento do projeto de arquitetura e engenharia, para evitar dor de cabeça e gastos indesejados no futuro.

Por isso, a decisão de gerenciar a obra sozinho nunca deve ser tomada levando-se em consideração somente o custo. Quem lida no dia-a-dia com esse trabalho garante que experiência na área evita atrasos, falhas construtivas e refações. “O mercado hoje está em expansão e o povo passou a acreditar mais no País. O nosso cliente é o construtor e o que tem o sonho da casa própria. A pessoa que compra o lote e procura o arquiteto ou engenheiro vai ter a casa que sempre quis.

ECONOMIA DE ALUGUEL

Uma forma de economizar é fazer por etapas e se mudar, economizando com isso aluguel. Depois, com o tempo, pode completar a obra”, disse Mauro de Freitas Pereira, engenheiro civil.

Para Caio Portugal, vice-presidente de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente do Sindicato da Habitação (Secovi-SP) e presidente da Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano (Aelo-SP), comprar um lote e construir traz enormes vantagens financeiras para o consumidor se comparado a comprar uma casa pronta. Além de ficar mais barato, segundo Portugal, o consumidor vai morar em um local personalizado, feito para atender as necessidades de toda a família.

Segundo o presidente da Aelo do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Aelo-TAP) e CEO da ITV Urbanismo, José Eduardo Ferreira, com o avanço da tecnologia e a inovação na área da construção civil, foi possível baratear o custo da obra da casa própria, aumentando a produtividade e reduzindo o tempo gasto, os riscos de problemas estruturais no imóvel e desperdícios de material.

“A aplicação correta dos conceitos de engenharia civil e da arquitetura faz com que o gasto para se fazer uma casa própria diminua e a qualidade aumente”, afirmou Ferreira.

Fonte: www itvurbanismo.com.br

Profissionais ajudam a reduzir tempo e entulho

O inspetor chefe do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG), Michel Sinclair Rodrigues, afirma que contar com um profissional habilitado para planejar todas as fases da construção pode representar 30% de economia de tempo. Ou seja, quem tem urgência da casa própria para morar pode reduzir um ano de obra a 4 meses, por exemplo.

Foto: Adobe Stock
O ideal é contratar o serviço de um engenheiro civil e de um arquiteto, mas é possível fazer com apenas um desses profissionais

A contratação técnica, além de obrigatória por lei, representa de 3% a 5% do valor total de uma obra. Em uma casa onde foram gastos, por exemplo, R$ 100 mil, o projeto arquitetônico ou de engenharia gira em torno de R$ 3 mil a R$ 5 mil. “É um custo irrisório pelo risco que eu estou correndo se fizer uma obra sem projeto. São vidas humanas que vão morar ali dentro. O profissional habilitado te dá a averbação e o resguardo jurídico”, disse o inspetor do Crea-MG.

Segundo o arquiteto Bernando Telles, para se construir por conta própria, o ideal é contratar o serviço de um engenheiro civil e de um arquiteto, mas legalmente é possível fazer com apenas um desses profissionais. Enquanto o engenheiro é responsável pelo cálculo estrutural, definindo o tipo de fundação, as redes de instalação elétrica e hidráulica, entre outros, o arquiteto pensa nos espaços de acordo com a funcionalidade, o conforto e a estética.

“É muito importante também ter uma mão de obra de qualidade, com um pedreiro capacitado, senão não adianta ter um bom projeto. E se a pessoa não tiver tempo ou experiência, o melhor é contratar alguém para administrar. Eu administro obras, obviamente cobro a mais, além do projeto, mas garanto que tudo vai ficar como o cliente quer”, disse o arquiteto.

Fonte: www itvurbanismo.com.br

Comprando um lote 5 passos para garantir que você não caia em nenhuma cilada e, acima de tudo, encontre uma oportunidade que atenda às suas expectativas:

1 – Valorização: Se você vai fazer um investimento de alto valor, a primeira coisa a se fazer é avaliar o potencial de valorização. Basta dar uma voltinha pela região e pesquisar como é (ou pretende ser) o comércio local.

Conversar com vizinhos e comerciantes, por exemplo, é uma ótima forma de obter essas informações. Há previsão para outros empreendimentos, linhas de ônibus, faculdades ou shoppings próximos ao imóvel de análise? Com alguns minutos de bate papo e uma rápida busca no Google, você poderá avaliar se comprar o lote é realmente uma boa opção.

2 – Documentação: Antes de qualquer negociação, verifique se o espaço está registrado de acordo com as normas da Prefeitura. Confira nas certidões de propriedade, negativa de ônus e alienação se há alguma irregularidade e se o proprietário que consta na documentação é o mesmo que está vendendo.

Atente-se sobre a localidade – é uma área de proteção ambiental ou nascente? No geral, a legislação impede que essas sejam ocupadas. A maior parte dessas informações se consegue no Cartório de Registro de Imóveis. A matrícula dará informações como idade do lote, antigos donos e se há possíveis situações impeditivas à venda.

3 – Expectativas: O Plano Diretor de cada município determina qual o tipo de construção pode ser realizada em determinada área. Em algumas regiões, o plano limita a altura e a quantidade de andares que o imóvel poderá ter. Por isso, saber se há alguma restrição quanto a construção antes de assinar o contrato pode ser decisivo para garantir a sua satisfação com a compra.

4 – Abra sua mente: Não é novidade que empreendimentos e bairros em ascensão possuem preços mais acessíveis que os já tradicionais ou requisitados. Por isso, dependendo do seu orçamento, amplie o raio de busca e esteja aberto a considerar a compra em novos bairros que não o pensado inicialmente, ou mesmo em regiões próximas. O mais importante é não ficar preso às ideias iniciais e ter base para comparação.

5 – Lote Financiados: Por último e não menos importante. É necessário se atentar às modalidades de financiamento disponíveis para a compra do lote. No geral, as taxas de juros são mais altas que as trabalhadas para um imóvel já pronto. Apesar da diferença não ser relativamente grande, por se tratar de um financiamento a longo prazo, isso pode interferir no seu orçamento. Por isso, vale a pena consultar as opções disponíveis e refazer os seus cálculos.

Fonte: www.casamineira.com.br/blog

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora