04 de dezembro de 2020 Atualizado 20:23

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

Renda habitual era de R$ 2.378 em setembro, mas renda efetiva foi de R$ 2.168

Por Agência Estado

23 out 2020 às 14:32 • Última atualização 23 out 2020 às 14:48

Quase sete meses após o agravamento da crise sanitária da covid-19 no Brasil, os trabalhadores que permaneciam empregados ainda enfrentavam dificuldades para recompor a renda do trabalho perdida na pandemia, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid (Pnad Covid-19) mensal divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O rendimento médio habitual de todos os trabalhos era de R$ 2.378 em setembro, mas os trabalhadores receberam efetivamente, em média, R$ 2.168. Ou seja, a renda efetiva representou 91,2% do que seria habitualmente recebido.

Apesar da defasagem, houve melhora em relação a agosto, quando a renda efetiva alcançava 89,7% da renda habitual. Em maio, quando começou a pesquisa, a renda efetiva correspondia a apenas 81,5% do rendimento habitual.

A massa salarial habitual recuou 0,05%, passando de R$ 193,9 bilhões em agosto para R$ 193,8 bilhões em setembro. Já a massa do rendimento efetivo real cresceu 1,7%, de R$ 173,9 bilhões em agosto para R$ 176,7 bilhões em setembro.

O rendimento médio real domiciliar per capita efetivo do País foi de R$ 1.320 em setembro, 0,7% acima dos R$ 1.311 registrados em agosto. Os menores valores foram registrados nas regiões Norte (R$ 918) e Nordeste (R$ 922).

Em setembro, o rendimento médio domiciliar per capita dos domicílios brasileiros onde nenhum dos moradores recebia algum auxílio do governo em função da pandemia alcançou R$ 1.821, mais que o dobro dos R$ 825 recebidos nos lares onde algum morador recebia o auxílio.

Publicidade