29 de setembro de 2020 Atualizado 08:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

São José dos Pinhais

Renault pretende demitir 800 funcionários da fábrica do Paraná

Empresa emprega 7,3 mil trabalhadores e propôs Plano de Demissão Voluntária que foi recusado em assembleia

Por Agência Estado

18 jul 2020 às 15:21 • Última atualização 19 jul 2020 às 11:21

A Renault quer cortar 800 vagas na fábrica de São José dos Pinhais (PR) em razão da baixa produção decorrente da queda do mercado de veículos provocada pela crise da pandemia do coronavírus. A empresa emprega 7,3 mil trabalhadores e propôs um Plano de Demissão Voluntária (PDV) que foi recusado em assembleia dos funcionários realizada na sexta-feira (17).

Fábrica em São José dos Pinhais deve ter 800 trabalhadores demitidos – Foto: Renault / Divulgação

Os trabalhadores consideraram que os incentivos oferecidos pela montadora não são atrativos. A Renault oferece o pagamento de 3,5 a seis salários extras dependendo do tempo de contrato do funcionário (incluindo dois meses de benefício da MP 936), plano médico por um ano e vale mercado até dezembro, além da primeira parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

Para os funcionários que permanecerem na fábrica a proposta de data-base é suspensão de reajustes neste ano e no próximo, com pagamento de abono de R$ 3,5 mil, entre outros itens.

“A proposta é ruim para quem sai e para quem fica”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka. Na assembleia foi dado prazo até quarta-feira para que a montadora negocie uma nova proposta.

“A Renault está se aproveitando do momento para tirar vantagem e nós temos de resistir”, disse. “Se a empresa quer adesões tem de ter um incentivo de verdade, pois o que está oferecendo é muito pouco”. A montadora, contudo, afirma que se não conseguir as adesões, fará cortes aleatórios e o sindicato promete greve se isso ocorrer.

Queda de 45% na produção
O setor automotivo prevê queda de 45% na produção de veículos este ano em relação a 2019, para 1,63 milhão de unidades, previsão que, no início do ano era de 3 milhões de unidades. Em junho, a Nissan – parceira da Renault na aliança global Renaul/Nissan – demitiu 400 pessoas da fábrica de Porto Real (RJ).

Na fabricante de caminhões Volvo, de Curitiba (PR), cerca de 2,7 mil trabalhadores aceitaram no mês passado proposta de PDV similar à apresentada pela Renault, mas que não continha número esperado de adesões. Todas as montadoras afirmaram estar com excesso de pessoal e novos cortes devem ocorrer principalmente após o fim do programa instituído pela MP 936, que permite redução de jornada e salários e suspensão de contratos de trabalho, com parte dos salários bancada pelo governo. A primeira fase do programa venceu neste mês e foi estendida por mais um mês.

Publicidade